50 anos representando os produtores gaúchos

Associação dos Produtores e Comerciantes de Sementes e Mudas do Rio Grande do Sul comemora cinquentenário

Por
· 4 min de leitura
Diretor administrativo da APASSUL, Antonio Eduardo Loureiro da Silva, ao lado do presidente da associação, Narciso Barison NetoDiretor administrativo da APASSUL, Antonio Eduardo Loureiro da Silva, ao lado do presidente da associação, Narciso Barison Neto
Diretor administrativo da APASSUL, Antonio Eduardo Loureiro da Silva, ao lado do presidente da associação, Narciso Barison Neto
Você prefere ouvir essa matéria?

Em seus 161 anos, Passo Fundo serviu de berço para centenas de iniciativas importantes a nível nacional, especialmente no âmbito agrícola. Neste setor, há 50 anos, o município via nascer a primeira associação de produtores de sementes de pessoas físicas de todo o Brasil. Fundada em 1968, a Associação dos Produtores e Comerciantes de Sementes e Mudas do Rio Grande do Sul (APASSUL) foi um divisor de águas para o setor sementeiro. Criada com o intuito de defender e representar os interesses da categoria, foi somente a partir de sua organização e participação junto às Comissões Estaduais de Sementes de Trigo e de Soja que os produtores autônomos conquistaram a autorização oficial do Ministério da Agricultura para a produção de sementes – tarefa que, antes, ficava à cargo exclusivo das cooperativas e de postos agropecuários do governo.


Sempre focada em congregar produtores autônomos de sementes, cuidar dos interesses dos associados, trocar informações técnicas, promover o uso de semente certificada e fiscalizada e produzir novas variedades de sementes de soja e trigo, a APASSUL consolidou-se como um modelo para todo o Brasil. Hoje, ela conta com 107 associados, mas este número já chegou a 300. Em diversos estados, associações semelhantes começaram a surgir e muitas contaram com a ajuda da própria entidade gaúcha para que fossem criadas, como é o caso da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (ABRASEM), fundada em 1972. “Nós participamos da criação, lá em São Paulo. O primeiro vice-presidente da ABRASEM foi aqui de Passo Fundo: o produtor Henrique Stedile, um dos mentores da APASSUL”, destaca o diretor administrativo da APASSUL, Antonio Eduardo Loureiro da Silva.


Uma série de conquistas fundamentais para o setor sementeiro e agrícola foram alcançadas nessas cinco décadas. Trabalhando para levar mais tecnologia aos campos, promover a pesquisa em sementes e melhorar os processos de beneficiamento genético, a APASSUL teve papel ativo nas discussões que levaram à elaboração de três leis de sementes: a Lei de Sementes de 1977, Lei de Proteção de Cultivares de 1997 e Lei sobre os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) de 2005. Também conseguiu a criação de linhas de crédito específicas para a produção de sementes; a obrigatoriedade do uso de semente fiscalizada nas operações de crédito rural; o estabelecimento de preço mínimo para as sementes; a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para exportação de sementes para outros estados brasileiros; e o aumento da taxa de uso de semente legal de soja no RS.


Também foram firmados convênios com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e a Universidade de Passo Fundo (UPF) e editados boletins informativos para difundir notícias relativas ao setor. “Lecionamos, durante oito anos, a cadeira de Tecnologia em Sementes na UPF, porque havia muitos filhos de produtores estudando aqui e não tinha gente especializada para lecionar, na época, essa matéria”, conta Loureiro. Ainda segundo ele, também foram propiciados inúmeros cursos e treinamentos. “Parece que foi ontem que nós começamos. Hoje, eu olho para trás e vejo que a associação cumpriu efetivamente o motivo pelo qual foi criada. É uma associação consolidada e respeitada em todo o país e no exterior”.


Sede em Passo Fundo
Até hoje, a sede da APASSUL está localizada em Passo Fundo, no Bairro São Geraldo, em uma área de 1,2 hectare. O local foi adquirido em 1977 e serviu para a edificação de uma Unidade de Beneficiamento de Sementes (UBS), que contou com máquinas e equipamentos modernos, com o objetivo de oferecer treinamentos e mostrar aos produtores de sementes as evoluções disponíveis. Em seguida, na mesma área, foram construídos o Laboratório de Análise de Sementes e a sede administrativa, que passaram a contar com uma grande equipe nos departamentos técnico e de economia rural. “Outra coisa em que trabalhamos arduamente foi na implantação de laboratórios de análise de sementes. Criamos um laboratório em Santo Ângelo e outra sede própria em Porto Alegre, de modo que pudemos atender todas as necessidades dos nossos associados, referente à análise de sementes”, destaca Loureiro.


Justamente por estar instalada no município, o diretor administrativo diz perceber que, muitas vezes, os passo-fundenses não se dão conta de que a APASSUL se trata de uma associação estadual, atendendo todos os municípios gaúchos. “Ainda nos perguntam por que a associação ficou em Passo Fundo. É parte da história dela. As primeiras lideranças de setores estavam aqui porque aqui tinha também o Laboratório de Análise de Sementes e a Estação Experimental de Passo Fundo, ambos pertencentes ao Ministério da Agricultura. Hoje, essa Estação é a Embrapa. Então, a APASSUL ficou aqui”.


Tom de despedida
Em meio às comemorações pelo cinquentenário - marcadas por uma festa com a presença de figuras importantes ligadas ao setor sementeiro, no Gran Palazzo Centro de Eventos, realizada nessa sexta-feira (30) -, o ano de 2018 marca também a despedida dos atuais vice-presidente e diretor administrativo da APASSUL, Narciso Barison Neto e Antonio Eduardo Loureiro da Silva, respectivamente. “Eu estou na associação há 44 anos. É uma vida que a gente viveu nesse setor, mas eu pretendo sair porque temos que observar e dar lugar para pessoas mais jovens, com novas ideias e novas perspectivas. Saio sabendo que cumpri meu dever e fiz o máximo que pude, mas você tem que ter a visão de que o mundo não para e de que tem uma hora que você precisa parar, para que outras pessoas venham com uma visão diferente e propostas diferentes e enfrente essas lutas”, Loureiro declara.

Gostou? Compartilhe