Universidade e escola pública compartilham conhecimentos

UPF promove seminário direcionado para questões pertinentes às ações dos professores na escola de educação básica

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que regulamenta quais são as aprendizagens essenciais a serem trabalhadas nas escolas públicas e particulares de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio para garantir o direito à aprendizagem e o desenvolvimento pleno de todos os estudantes. Com o objetivo de promover a troca de experiências e conhecimentos entre a Universidade de Passo Fundo (UPF) e os professores da rede pública de educação, aconteceu, nesta quinta-feira (29), o XI Seminário de Atualização Pedagógica (Semape) e o 9º Encontro de Professores e Estagiários das Licenciaturas. O tema do evento provoca academia e docentes a pensarem como produtores do currículo.


O Seminário pretende discutir questões pertinentes às ações dos professores na escola de educação básica, fundamentando-se na proposta de educação integral, colocada na BNCC. Para o vice-reitor de Graduação, professor Edison Alencar Casagranda, o que ser quer é mostrar, não apenas por meio desses eventos, mas também da campanha Educar é a Nossa Ação, é que a UPF está, desde sua gênese, comprometida com a melhoria da qualidade da educação. Em sua fala, ele destacou que a Instituição valoriza os cursos de licenciatura, mantendo-os vivos e ativos, e oferece formação inicial de qualidade. “Somos presentes e parceiros das escolas e das redes de ensino da comunidade e região, fomentamos formação docente continuada e mantemos nosso olhar atento às demandas e às temáticas da área, apostamos em novas metodologias e, fundamentalmente, no poder transformador da educação”, pontuou.


Citando Martha Nussbaum e o livro Educação e Justiça Social, Casagranda lembrou do conto “O Treino do Papagaio”, e a necessidade de, em termos de concepções de educação/formação, superar os limites da gaiola dourada, dos bons manuais e dos métodos que desconsideram os sujeitos da ação. “As escolas e as universidades existem sim para que estudantes aprendam conceitos, teorias; mas, também, para que desenvolvam capacidades e habilidades; formem atitudes e valores e se realizem como profissionais-cidadãos. Nosso desejo é que a lógica e a dinâmica do professor produtor de currículo possam invadir nossas mentes e nossas práticas”, ressaltou.


Espaço para o debate e crescimento
Para a professora Jocelaine dos Santos, da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Padre Pergentino Dalmagro, o Semape é uma oportunidade para que os professores possam conversar, trocar ideias e buscar novas possibilidades para a formação do estudante. “O evento é extremamente importante para nós. Aqui, temos espaço para ampliar nosso conhecimento, trocar informações nas oficinas, contar as nossas realidades e saber como são as demais, para que possamos aprender e contribuir, tanto com a escola quanto com a comunidade”, destacou Jocelaine, que já participou de várias edições do Seminário.

Gostou? Compartilhe