Coleção de prêmios: projeto de egresso da UPF é destaque em premiações internacionais

Trabalho do arquiteto e urbanista Leonardo Zanatta aborda os sistemas atuais de infraestrutura urbana e como eles podem tornar o ambiente urbano de grandes centros mais sustentáveis e eficientes

Por
· 2 min de leitura
Pesquisa de Leonardo foi desenvolvida em conjunto com universidade da Arábia Saudita (Foto: Divulgação)Pesquisa de Leonardo foi desenvolvida em conjunto com universidade da Arábia Saudita (Foto: Divulgação)
Pesquisa de Leonardo foi desenvolvida em conjunto com universidade da Arábia Saudita (Foto: Divulgação)
Você prefere ouvir essa matéria?

A Universidade de Passo Fundo (UPF) é reconhecida não só pela qualidade de ensino, mas pelo destaque que os egressos da Instituição conquistam em suas carreiras. Um desses muitos profissionais é o arquiteto e urbanista Leonardo Zanatta, que recentemente teve o seu projeto final de graduação, “A King Fahad High Speed Rail Station”, como vencedor do prêmio Archi Now – Sustainability First Steppers, que seleciona, anualmente, os melhores projetos finais de graduação com soluções sustentáveis para problemas atuais do mundo todo.

Formado pelo curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF no início de 2018, Zanatta idealizou o trabalho com o objetivo de apresentar questionamentos relacionados aos sistemas atuais de infraestrutura urbana e como eles podem tornar o ambiente urbano de grandes centros mais sustentáveis e eficientes. Para isso, ele criou, junto a um grupo de estudantes do curso de Arquitetura da Universidade Effat de Jidá, na Arábia Saudita, o traçado geral de um masterplan para a cidade, inserindo meios de transporte limpos na malha urbana, para posteriormente propor o projeto de uma alternativa mais eficiente para a atual estação central da cidade projetada pelo escritório britânico Foster and Partners, que teve a construção finalizada há pouco tempo.

“Desta forma, o projeto visa demonstrar como a arquitetura de um estudo de caso pode assumir uma posição de protagonismo na conversão dos nossos centros urbanos em ambientes eficientes e limpos”, comenta o arquiteto, que já teve a pesquisa laureada em 2019 com o primeiro lugar no Prêmio Saint-Gobain de Arquitetura, atualmente um dos mais importantes da América Latina.


Incentivo e experiências proporcionadas pelo curso de Arquitetura e Urbanismo

Em sua ainda curta carreira, Zanella conquistou 18 premiações e menções nacionais e internacionais nas áreas de Arquitetura e Design. Ele conta que a UPF foi fundamental no início da sua caminhada. “O primeiro prêmio que ganhei foi um concurso interno da Universidade para o traçado da nova ciclovia do Campus junto à uma equipe de colegas. O projeto infelizmente não saiu do papel, mas o legado seguiu e meu trabalho com infraestrutura de transportes acabou refletindo na temática do meu TFG, rendendo estas duas premiações de grande destaque”, disse.

Oportunidades como a de Leonardo, de colocar em prática (durante a graduação) o que é ensinado na teoria, diferenciam o curso de Arquitetura e Urbanismo. De acordo com o coordenador, professor Dr. Carlos Leonardo Sgari Szilagyi, o curso incentiva os acadêmicos a participarem constantemente de concursos nacionais e internacionais. “Este incentivo se realiza principalmente através de seus laboratórios, como o Laboratório de Acervo, Projetos e Concursos (Laproc), que não só incentiva, mas orienta a participação dos estudantes. Também realizamos concursos internos que possam preparar o aluno para atividades desafiadoras, em semanas acadêmicas ou nas já consagradas semanas da arquitetura. Os concursos também envolvem empresas parceiras, e assim nosso aluno já começa a se integralizar com o mercado de trabalho”, destaca.

O docente lembra outros fatores que fazem da graduação da UPF diferenciada. “O diferencial se encontra em dois pilares fundamentais. O primeiro é o corpo docente qualificado. Com professores e profissionais do mais alto gabarito produzindo conhecimento sobre os mais variados temas de arquitetura e urbanismo, nosso acadêmico encontra conhecimento de vanguarda, e visita o ‘estado da arte’, permitindo que ele consiga desenvolver trabalhos sobre assuntos extremamente complexos. O segundo pilar é a infraestrutura universitária. Com um campus que proporciona acesso a maior biblioteca do norte do estado e a laboratórios com tecnologias de ponta, nosso estudante é capaz de desenvolver seu máximo potencial intelectual”, complementa.

Sobre a mais nova premiação, Zanatta sente-se feliz. “É uma pena que raramente vejamos brasileiros vencendo este tipo de concurso, mesmo tendo tantos projetos bons saindo de dentro das Universidades. Gostaria que, de alguma forma, essa conquista pudesse estimular outros acadêmicos da Arquitetura da UPF à engajarem mais em competições, que são atualmente as melhores ferramentas de exposição para o curso e para o corpo discente”, finaliza.


Gostou? Compartilhe