Moradores solicitam remoção dos túneis de leitura da Praça Capitão Jovino

Uso inadequado do espaço estaria colocando em risco a segurança das famílias

Por
· 1 min de leitura
Túneis de leitura foram instalados em cinco largos de literatura em Passo Fundo (Foto: Rafael Dalbosco)Túneis de leitura foram instalados em cinco largos de literatura em Passo Fundo (Foto: Rafael Dalbosco)
Túneis de leitura foram instalados em cinco largos de literatura em Passo Fundo (Foto: Rafael Dalbosco)
Você prefere ouvir essa matéria?

Os moradores da Vila Rodrigues solicitaram ao Poder Público Municipal a retirada dos túneis de leitura da Praça Capitão Jovino por “estarem servindo de abrigo para usuários de álcool e drogas e colocando em risco a segurança das famílias que frequentam o local”.

O pedido de providência, assinado pela vereadora Ada Cristina Munaretto, tramita na Câmara dos Vereadores de Passo Fundo desde junho. “Tivemos vários relatos de mulheres que foram assediadas dentro dos túneis. Infelizmente, eles não estão servindo para os fins que foram colocados ali”, justificou a parlamentar em entrevista ao jornal O Nacional na quarta-feira (15). 

Quinto largo entregue no município e revitalizado em 2011, o local foi remodelado a partir da destinação de 330 mil reais em investimentos entre contrapartida do Executivo, emenda parlamentar e doações. O viés de proteção à comunidade, aludido pela vereadora, é contrastado pelos questionamentos sobre a conservação dos espaços e do título recebido pela cidade como Capital Nacional da Literatura. “Já lançamos ideias afirmativas para que não deixemos de lado esse novo título tão importante, como a disponibilização de livros e poemas escritos em bares e calçadas naquela região”, mencionou Ada. 

A secretária municipal de Cultura, Miriê Tedesco, observa que ao pensar em intervenções culturais em espaços públicos, é necessário incluir um cuidado e valorização às obras. "Os túneis nasceram como uma proposta de fortalecer o envolvimento entre pessoas, literatura e poesias, especialmente. De marcar a conquista de Passo Fundo como um celeiro literário, de mostrar o alto índice de leitura de nossa gente”, ponderou. 

As novas dinâmicas orgânicas da cidade, prosseguiu Miriê, modificam o uso dos espaços. “Não só na Praça Capitão Jovino, mas em outros túneis da literatura, uma obra que poderia ser cartão postal da cidade, encontramos problemas similares. Na Secretaria de Cultura costumamos receber fotos de situações extremas do uso inadequado que fazem desses espaços”, comentou a secretária. 

Conservação 

Com o cancelamento das Jornadas Literárias, Miriê afirma que a retomada dos eventos para a formação do público leitor ingressou na pauta da Secretaria. “No momento lançamos o 3º Prêmio Literário Cidade de Passo Fundo, que distribui 20 Mil reais em prêmios para quatro categorias literárias”, citou a secretária. “Trataremos em breve de outras ações que fortalecerão esse reconhecimento de cidade que lê”, prosseguiu Miriê. 

Gostou? Compartilhe