Patram flagra 21 hectares de mata devastados

A polícia também vai investigar o destino da madeira extraída em área do município de Muliterno

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma clareira aberta no meio da mata nativa, no município de Muliterno, na região norte do Estado, é a maior área de degradação encontrada por policiais do 3º Batalhão Ambiental de Passo Fundo, numa única propriedade, nos últimos 10 anos. O crime foi descoberto na manhã de quarta-feira, a partir de uma denúncia anônima. 

Dos cerca de 90 hectares de mata atlântica contínua na localidade de Santa Bárbara, interior do município, pelo menos 21 deles já haviam sido devorados pelas motosserras. A devastação inclui Áreas de Preservação Permanente (APPs), protegidas por lei. Um levantamento inicial aponta que aproximadamente 20% da vegetação mista era de araucárias.

A denúncia anônima, com informações precisas sobre o local, impediu que o dando ambiental fosse ainda maior. Durante as buscas, policiais encontraram um acampamento, utilizado por entre 10 a 20 homens. Com a aproximação da polícia, eles fugiram, deixando para trás alimentos acondicionados em marmitex, combustível, motosserras e outras ferramentas. A área degradada está localizada no centro da propriedade e vinha sendo desmatada havia pelo menos cinco dias.

Desde quarta-feira, policiais da Patrulha Ambiental trabalham no local. Como havia vários indícios de exploração mineral antiga, as equipes fizeram buscas na tentativa de encontrar pontos recentes. Responsável pelo 1º Pelotão Ambiental, o sargento Eldecir Simor lamentou o dano causado ao meio ambiente e disse que a polícia está averiguando a documentação para identificar o proprietário. “Falamos com o filho do suposto dono, o qual revelou que o pai havia vendido a área. O responsável será penalizado conforme prevê a legislação. A multa varia de R$ 500 a R$ 50 dependendo da extensão do crime. É o maior dano causado numa única propriedade na última década” ressalta. A polícia também vai investigar o destino da madeira extraída dos 21 hectares. O trabalho de ontem foi acompanhado por uma equipe do Departamento de Florestas e Áreas Protegidas (Defap).

Gostou? Compartilhe