Assembleia Legislativa vota hoje PL 93/2017

Servidores do Judiciário realizam nova assembleia e protestos na Capital

Por
· 1 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A paralisação dos servidores do judiciário gaúcho, que teve início em 24 de setembro, completou um mês na última quinta-feira, continua por tempo indeterminado. Na pauta da categoria dos servidores, está a construção de um plano de carreira para os servidores do 1º grau, e a não extinção de cargos de oficiais escreventes, o que pode ocorrer caso o PL 93/2017 seja aprovado na Assembleia Legislativa. Além disso, os servidores pedem reajuste dos salários, congelados há cinco anos, do auxílio-alimentação e do valor ressarcido aos oficiais de justiça por despesas de condução.

 

Os servidores do Judiciário e do Ministério Público também temem o deferimento de Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI’s), movidas pelos governos anteriores, que questionaram reposições salariais de 8,13% (gestão de Sartori) e 8,69% (gestão de Rigotto). Se julgadas procedentes, elas poderão ocasionar perda de até 21% na remuneração dos trabalhadores.

 

A Direção do Sindicato dos Servidores da Justiça do Rio Grande do Sul (Sindjus-RS) espera que a mobilização, nesta terça-feira (28), a partir das 9h, em frente ao Tribunal de Justiça do estado, pressione a administração do Tribunal a apresentar alguma resposta sobre a pauta de reivindicações da categoria.

 

“Amanhã (hoje) faremos uma assembleia geral e vamos para a Assembleia Legislativa acompanhar a votação da PL 93, que temos boas chances de ser rejeitada pelos deputados”, conforme explica a representante do sindicato de Passo Fundo, Katia Helena Gazzola Machado. A representante questionada sobre um possível encerramento da greve diz que “como não avançamos com o Tribunal de Justiça, com nenhuma nova abertura de diálogo, seguimos com a greve”.


Corte de ponto dos servidores
Além da assembleia geral da categoria, a próxima terça-feira é também a data do pagamento dos salários dos servidores da justiça. O diretor de comunicação do Sindjus, Emanuel Dall’Bello destaca que diante da ameaça de corte de ponto dos servidores em greve pela Administração do Tribunal de Justiça, a direção do Sindjus está providenciando medidas para enfrentar a questão. “Solicitamos a todos os servidores que organizem documentação que comprove o prejuízo que eventualmente poderá ser causado pelo desconto no salário decorrente dos dias paralisados”.

 

“Reforçamos que a greve é um instrumento legítimo de luta dos trabalhadores, assegurado pela Carta Magna e por lei federal específica, e que os servidores terão imensos prejuízos nas suas vidas e de suas família caso haja uma decisão arbitrária”, ressalta a nota pública emitida pela categoria na sexta-feira (25).

Gostou? Compartilhe