Uma viagem entre vertentes musicais

Misturando elementos de rock, bossa nova e surfmusic em duas faixas instrumentais, banda passo-fundense Assoalho de Órbita lança nesta sexta-feira o EP “Miragem”

Por
· 5 min de leitura
DivulgaçãoDivulgação
Divulgação

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pandemia pode até ter impedido a realização de uma série de eventos culturais tradicionais em Passo Fundo, mas não freou a criação de novos sons. Impedidos de se conectarem com o público de cima do palco, artistas da região têm usado a internet como principal ferramenta para seguirem expondo seus trabalhos. Os músicos da Assoalho de Órbita, banda instrumental carregada de sonoridades psicodélicas, fazem parte desse time. Nesta sexta-feira (2), a banda disponibiliza nas principais plataformas de streaming o EP “Miragem”, com distribuição digital pela Ditto Music Brasil. O lançamento fica por conta do 180 Selo Fonográfico.

Surgida no início de 2016, à época com outro nome, a Assoalho de Órbita nasceu do encontro esporádico de seis amigos que costumavam se reunir, como forma de diversão, para improvisar novos sons e explorar a criatividade de maneira conjunta. “Com o passar do tempo e a saída de dois integrantes, a banda se reformulou e então surgiu o nome Assoalho de Órbita. A partir de 2018, começamos os primeiros ensaios e gravações na formação atual, que é composta por Bruno Philippsen, Guilherme Benck, Ramiro Tagliari e Télbio de Freitas”, contam os membros.

Mudanças à parte, o que se mantém intacto entre os integrantes remanescentes é o desejo de explorar e misturar sem nenhum receio sonoridades e elementos de gêneros e vertentes um tanto quanto distintos. Em “Gilberto Ben Roberto” – música que abre o segundo EP da Assoalho de Órbita –, por exemplo, escaletas, vassourinhas e batidas bossa nova acompanham a sutileza do vibrar das cordas de nylon, desencadeando em um loop frenético. Um leve ajuste radiofônico e, então, é possível ouvir pitadas de reggae e surf music em “Baby Johnson Carvenícola”, que fecha o trabalho.

O resultado é uma espécie de “rock instrumental alienígena”, como a própria banda costuma se descrever, prometendo agradar desde terráqueos até os mais exóticos ouvintes de outras galáxias onde o streaming é capaz de alcançar. Para quem ainda está em dúvida se essa é uma viagem à qual gostaria de embarcar, O Nacional preparou uma breve entrevista com a banda acerca do processo de criação do EP e as influências que serviram de base para o novo trabalho.


ON: Como aconteceu a composição do novo EP?

A composição desse EP aconteceu ainda no ano passado. A faixa de abertura foi uma das primeiras músicas no repertório da banda, mas acabou ficando meio de lado por um tempo devido a outras ideias que foram pintando durante os ensaios, como é o caso da faixa dois, que veio com força já de cara, e logo já estava praticamente pronta. Ambas ganharam alguns toques no momento da gravação e só depois das duas prontas é que houve a ligação de que elas poderiam ser lançadas de forma conjunta.


ON: O cenário de pandemia influenciou de alguma forma no processo criativo da banda ou vocês já costumavam criar em "isolamento"? 

Geralmente, o processo de composição acontece nos ensaios. Alguém traz a ideia inicial e a partir disso todos ficamos livres para sugerir arranjos, melodias e ritmos. Às vezes, são ideias de vertentes distintas, mas que acabam resultando, de certa forma, em algo original, mas com um pouco de cada integrante. Dá pra dizer que o embrião vem do isolamento, mas a peça final vem depois de muito debate.


ON: O que serviu de influência para o novo trabalho?

A inspiração vem, antes de mais nada, do prazer em tocar, expressar ideias através do som. Esse é provavelmente o ponto em comum a todos. Cada integrante tem sua bagagem, influências e linguagem dentro da música. Claro que tem coisas que são unânimes em questão de influência, porém buscamos sempre que todos estejam à vontade de propor ideias para que toda música tenha a cara de todos.

É sempre complicado falar de influências, pois corremos o risco de deixar alguma de fora, mas basicamente Gilberto Ben Roberto surgiu a partir da influência de sons próximos à bossa nova – não diretamente, mas um reflexo disso – e também relacionado ao timbre do violão de nylon, que era algo que não havíamos explorado ainda. A partir disso, foi se criando um contexto que permitiu juntar essas referências com ideias mais oníricas, ambiências e camadas. Já Baby Johnson Cavernícola vem de referências mais voltadas ao surfmusic, reggae e dub, com uma virada de clima ao final. Essas referências volta e meia aparecem durante os encontros, então acabou sendo natural irmos por esse caminho, mesclando com elementos de outras vertentes mais voltadas ao rock, principalmente na parte final.


ON: Como vocês procuram absorver e aplicar essas inspirações sem perder a originalidade do som?

Nós quatro temos hábito de ouvir muita música, de diferentes vertentes e referências. Isso acaba gerando uma percepção mais abrangente de composição e arranjo. Outro ponto que levamos em consideração é o de tentar criar algo novo, embora seja complicado afirmar isso, que fuja das regras básicas de cada estilo. É a soma das influências convergindo para um novo caminho, ao menos pra nós.


ON: De que forma "Miragem" se liga com a arte da capa (feita pela artista Muriê Kümmetz Troglio)?

A ligação da arte da Muriê com os nossos sons vem da proximidade dela com a banda, seja nos ensaios, nas produções fotográficas e audiovisuais. Quando passamos pra ela a necessidade da criação de uma arte que representasse os sons, ela se baseou nas ideias e sensações que cada um dos quatro integrantes tinha a respeito dos sons. A arte traduz as duas músicas do single "Miragem" em um universo visual sobre relações internas, desejos e estados mentais, interligados por memórias e construções filosóficas. A artista fez uma imersão entre diferentes realidades e retratou a capacidade humana de interagir, manipular e criar a partir de fragmentos.



Coincidência ou não...

O lançamento de “Miragem” acontece no mesmo dia em que a também passo-fundense Los apresenta ao público um remix do single “Todo Mundo Precisa de Alguém”, em parceria com o músico Pedro Petracco. Assim como o título e a arte de capa em que duas mãos se tocam, feita pelo artista visual Ema Machado, a canção poetiza as mais variadas formas de amor. Desta vez, de forma remixada, com colagens que evidenciam sons, timbres e até mesmo emoções que ficaram de certa forma escondidas na versão original. O lançamento é feito pelo 180 Selo Fonográfico.

A coincidência de datas, embora não seja proposital, evidencia a amizade de longa data e as vivências em comum entre as bandas – desde os cenários pelos quais circulam e as amizades que compartilham, até a guia de um mesmo selo. “A coincidência também se dá em função da constante produção que as duas bandas têm tido nos últimos meses. Mesmo em um contexto de pandemia e isolamento, ambas conseguem manter, na medida do possível, a produção e cronograma de lançamentos”, explicam os músicos Télbio e Guilherme. Assim, se a situação de pandemia não contribui para que a Assoalho de Órbita e a Los Marias voltem a dividir um mesmo palco, resta às duas conservarem o cenário autoral da cidade pulsando através de plataformas virtuais – por enquanto.

Gostou? Compartilhe