Brasil perde mais de 860 mil empregos formais em abril

O Rio Grande do Sul teve 74.686 mais demissões do que admissões no mês

Por
· 3 min de leitura
A queda de postos de trabalho foi de 763.232 de janeiro a abril (Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil)A queda de postos de trabalho foi de 763.232 de janeiro a abril (Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil)
A queda de postos de trabalho foi de 763.232 de janeiro a abril (Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil)
Você prefere ouvir essa matéria?

As demissões superaram as contratações com carteira assinada em 860.503 postos de trabalho, em abril. Foram 1.459.099 desligamentos e 598.596 contratações. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados hoje (27). O saldo de abril foi o pior da série histórica iniciada em 1992.

Segundo o Ministério da Economia, os dados mostram que a queda no número de contratações contribuiu de forma expressiva para o saldo negativo de empregos formais.

Enquanto as demissões tiveram um incremento de 17,2%, as admissões caíram 56,5% na comparação com abril de 2019. Em valores nominais, São Paulo teve o pior desempenho, com saldo negativo (mais demissões do que contratações) de 260.902. O estado é seguido por Minas Gerais com 88.298 demissões (descontadas as contratações) e Rio de Janeiro, 83.626, 

O salário médio real de admissão no Brasil passou de R$ 1.496,92 em abril de 2019 para R$ 1.814,62 no mês passado.

O secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, disse que o resultado reflete os efeitos da pandemia da covid-19 na economia brasileira, mas que demonstra que o Brasil está conseguindo preservar emprego e renda. “No entanto, pelos mesmos motivos de pandemia, não estamos conseguindo manter a contratação que mantínhamos outrora”, disse, acrescentando que na comparação com outros países, o Brasil está em situação melhor. “Os Estados Unidos estão com mais de 35 milhões de pedidos de seguro desemprego e o Brasil está chegando ao número de 860.500 desempregados”, explicou. Em março, mês de início das medidas de isolamento social devido à pandemia da covid-19, o saldo de emprego formal ficou negativo em 207.401. 

2020

De janeiro a abril de 2020 foram 4.999.981 admissões e 5.763.213 demissões no país, com resultado negativo de 763.232. As admissões caíram 9,6% e as demissões subiram 10,5% no período, comparado ao primeiro quadrimestre de 2019. 

O setor com maior queda é o de serviços. O saldo negativo é 362.378 de janeiro a abril. Apenas em abril foram 362.378 mais demissões do que admissões. O número é mais de 3 vezes maior do que o saldo de março (111.767). O setor apresentou saldos positivos em janeiro e fevereiro. No segundo mês do ano o setor teve 138.585 mais admissões do que demissões. 

A Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentaram a menor queda no número de empregos formais de janeiro a abril, com saldo negativo de 4.999. 

Rio Grande do Sul

O estado teve o quarto pior desempenho do país em abril de 2020, com 74.686 mais demissões do que admissões. De janeiro a abril o saldo negativo foi de 53.122. No quadrimestre, o RS teve o 5º pior desempenho, perdendo para os estados do sudeste e Pernambuco. O resultado também é o pior na região Sul. Santa Catarina tem o saldo negativo de 31.292 e Paraná de 22.424.

Manutenção de empregos

Desde 1º de abril, data da edição pelo governo federal da Medida Provisória 936/2020, que criou o Programa Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, foram preservados mais de 8,1 milhões de empregos no país, segundo o Ministério da Economia. O programa prevê que os trabalhadores que tiverem jornada reduzida ou contrato suspenso e ainda auxílio emergencial para trabalhadores intermitentes com contrato de trabalho formalizado receberão o Benefício Emergencial de Preservação da Renda e do Emprego (BEm).

Trabalho intermitente

A modalidade de trabalho intermitente teve, no período de janeiro a abril, 49.228 admissões e 35.105 demissões em 2020, o que resultou em saldo positivo 14.123. Já o regime de trabalho parcial registrou 71.044 contratações e 63.334 desligamentos, com resultado de positivo de 7.710 postos de trabalho com carteira assinada.

Somente no mês de abril, o trabalho intermitente chegou ao saldo negativo de 2.375, com 7.291 admissões e 9.666 demissões. No mesmo período, houve 4.881 contratações e 14.029 desligamentos na modalidade de trabalho parcial, com saldo negativo de 9.148.

Esta modalidade permite o trabalho sem horário fixo e o pagamento é realizado pelas horas trabalhadas. 

Calendário

Após a primeira divulgação do Novo Caged, o ministério definiu um calendário para os próximos dados do emprego formal no país: as informações de maio serão divulgadas no dia 29 de junho; em julho serão divulgados os dados de junho e assim por diante.

Com informações da Agência Brasil

Gostou? Compartilhe