Próxima etapa da Olimpíada de Robótica Educativa Livre da UPF será no dia 16 de outubro

Na nova fase os alunos deverão pensar sobre as possibilidades de aplicação da robótica em seu cotidiano

Por
· 1 min de leitura
Circuito simples que pode ser feito no simulador utilizado na etapa (Foto: Reprodução)Circuito simples que pode ser feito no simulador utilizado na etapa (Foto: Reprodução)
Circuito simples que pode ser feito no simulador utilizado na etapa (Foto: Reprodução)
Você prefere ouvir essa matéria?

A segunda etapa da IX Olimpíada de Robótica Educativa Livre da Universidade de Passo Fundo (UPF) já tem data marcada. Na nova fase, que ocorre em 16 de outubro, às 9h, de forma online, os alunos deverão pensar sobre as possibilidades de aplicação da robótica em seu cotidiano.

De acordo com o coordenador da competição, professor Dr. Marco Antônio Sandini Trentin, o objetivo principal da etapa é incentivar os participantes a buscarem conhecimento sobre o desenvolvimento inicial de circuitos eletrônicos e os primeiros passos para programar no Arduino, que é uma placa de prototipagem eletrônica, bastante usada na robótica, que visa oferecer ferramentas adaptáveis e de baixo custo para a criação de projetos interativos em diversas áreas.

“Nesse desafio, eles deverão projetar algum circuito que envolva a robótica por meio da automação de algum processo, como a automação de um cômodo da casa, de um processo industrial, de um prédio inteligente, a criação de um ‘robô’ que desempenhe uma função específica, entre outros, a partir do simulador, on-line, Tinkercad”, conta.


Atividades por videoconferência

Esta nova etapa acontecerá por meio do auxílio de uma plataforma de videoconferência, onde cada equipe irá apresentar a sua produção, detalhar a sua finalidade, mostrar os detalhes dos circuitos criados e a programação empregada no protótipo. Sete equipes devem participar da disputa. Os times são compostos por um professor e três alunos, sendo um deles o capitão da equipe.

Trentin está com uma boa expectativa para a nova fase do evento. “É a melhor possível. Justifico tal afirmação pois há cerca de 10 anos tenho realizado atividades de robótica educativa junto a alunos da Educação Básica do município de Passo Fundo e região. Lembro de, na maioria das vezes, ser surpreendido muito positivamente com a criatividade das soluções entregues pelas equipes frente aos desafios propostos nas mais variadas etapas realizadas. Acredito que nesta etapa não será diferente”, comenta.

Gostou? Compartilhe