OPINIÃO

O segundo passo-fundense na UAPPL – Final

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Depois de sancionada a Lei da Anistia (Lei n.º 6683), de 28 de agosto de 1979, Ney Eduardo Possapp d`Avila, que na ocasião vivia em Portugal, começou a ensaiar a volta ao Brasil. Vieram as visitas circunstanciais e os retornos à Europa. Até que, em novembro de 1982, houve a mudança para Passo Fundo. E assim, após o ingresso no curso de História da Universidade de Passo Fundo (UPF), em 1985, com licenciatura obtida, em 1988; e grau de mestre em História, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 1993, começou, de fato, a trajetória do historiador e professor Ney d`Avila.

Seria um novo Ney d`Avila? A militância politica da juventude teria sido deixada para trás? Nem tanto, pois, pelo MDB, engajou-se na campanha das “Diretas Já” (1983-1984) e, em 1985, filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) e nas suas fileiras permaneceria, até a autodissolução do “partidão”, em 1992. A imagem do historiador e professor, do intelectual público, do membro e vice-presidente da Academia Passo-Fundense de Letras, foi sendo consolidada, a partir dos anos 1990.

A obra seminal de Ney d`Avila foi a dissertação de mestrado pela UFSC, de 1993, intitulada “O Historiador Passo-fundense Antonino Xavier”. O primeiro trabalho acadêmico de análise da monumental obra deixada pelo historiador Francisco Antonino Xavier e Oliveira. Fernando Miranda, presidente do Instituto Histórico de Passo Fundo, entende que essa dissertação valorizou sobremaneira a história local, numa época em que ela era considerada menor ou, até mesmo, insignificante e descolada da grande história geral. Despertou, nos estudantes de história e nos habitantes da região, o sentimento de valorização do local e o fortalecimento da identidade regional.

O primeiro livro de Ney d`Avila, “Passo Fundo – Terra de Passagem”, seria publicado em 1996. A obra, no entendimento do historiador Tau Golin, levantou uma tese importante, que é o uso da região como terra de passagem. Ou seja, quando a exploração não tem o compromisso da construção de uma sociedade de destino. E tal qual o efeito causado pela dissertação sobre Antonino Xavier, o novo livro também abriu caminhos para outros estudos, que foram realizados para divergir ou para corroborar a tese defendida por Ney d`Avila.

José Ernani de Almeida, professor, enaltece o resgate da memória histórica feito por Ney d`Avila. Não só de Passo Fundo, mas de toda a região. O papel que Ney d`Avila desempenhou para o melhor entendimento da história de Carazinho, Getúlio Vargas, Ernestina e Lagoa Vermelha, por exemplo, não pode ser ignorado. 

Ney d`Avila escreveu, entre outros, os livros Caixeral Campestre Tênis Clube (2001), Um olhar sobre a legalidade (2011), Degolas e degoladores no RS (2012), Recortes da história de Passo Fundo (2014) e Cabo Neves: Fundador da cidade de Passo Fundo (2015); além vários ensaios e textos dispersos.

Aldo Battisti e Juarez Azevedo mantêm laços de amizade e convivência fraterna com Ney d`Avila desde os anos 1950. Foram colegas no Colégio Conceição e lembram que, nas arcadas do educandário Marista, Ney era conhecido como Planchet e Profeta. Na visão deles, trata-se de um intelectual orgânico e independente. E que as contribuições dadas por Ney d`Avila à história de Passo Fundo, desvelando fatos e personagens que, até então, oficialmente, eram ocultos, sobressaem-se.

Em 2018, Ney d`Avila foi acometido por problemas de saúde. Sobrevieram internações hospitalares e passagens por casas de repouso. Até que, em maio de 2019, após desfeita a moradia da Av. Caravelle, 456, e realizada a doação do acervo bibliográfico, foi de mudança para São Paulo. Na capital paulista, mais próximo da filha, a moscovita Jana Eleonôra, e do neto paulistano, Murilo Täyti, busca recuperação.

Tomara que Ney d´Avila, com a saúde restabelecida, possa voltar a Passo Fundo e lançar o livro que deixou pronto: “Antônio José da Silva Loureiro - Barão de Passo Fundo”. Uma obra que acrescenta fatos novos à versão oficial da história do município. Ou, quem sabe, terminar o livro sobre a história do Rio Passo Fundo, que ele estava escrevendo em colaboração com o professor João Grando. Oxalá!

Gostou? Compartilhe