OPINIÃO

Conjuntura Internacional

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

2020 foi um ano que, em termos geopolíticos, testou a capacidade dos líderes internacionais em lidar com uma crise que praticamente simula uma guerra biológica, a do coronavírus, juntamente com outros desafios diversos que se acumulam na arena internacional. Nesse cenário, o Brasil, a partir de sua política externa, deverá transpor algumas questões prioritárias. A nosso ver, essas questões podem se dividir da seguinte forma: 1) entorno estratégico; 2) EUA; 3) Europa; 4) China; 5) multilateralismo; e 6) a reputação internacional.

 

Entorno Estratégico 

Em seu entorno estratégico, o Brasil deverá lidar com três pautas relevantes: a Amazônia, o Mercosul e a Argentina. No ano que se inicia, a tendência é de maior pressão, principalmente pela Europa e o novo governo americano, nas questões ambientais. A Europa pressionará, em grande medida, para atender o lobby de seus produtores rurais. No âmbito do Mercosul, o Brasil deveria marcar posições mais firmes, principalmente pela reforma da Tarifa Externa Comum, a pedra angular para maior competitividade do bloco. A Argentina assumiu na última reunião de cúpula do Mercosul, a presidência rotativa do bloco. Nessa seara, o Brasil deveria adotar um tom mais diplomático e pragmático, e não de narrativas ideológicas.

 

EUA 

O Brasil foi, entre os países do mundo, um dos últimos a reconhecer a vitória de Biden. Apesar da histórica relação entre os dois países, o governo (se estiver mais preocupado com a narrativa ideológica e não com o pragmatismo) deverá enfrentar algumas incógnitas. Uma delas seria a continuidade de apoio americano para o ingresso brasileiro na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Outra incógnita será a relação entre os países no que toca a questão ambiental.

 

Europa 

O principal desafio brasileiro no contexto europeu será o avanço do acordo Mercosul/União Europeia. O acordo ainda precisa ser aprovado nos parlamentos. A pressão em relação ao meio ambiente crescerá, principalmente por uma questão concorrencial, uma vez que o Brasil é player relevante no fornecimento mundial de alimentos.

 

China 

A China seguirá sendo o principal parceiro comercial do Brasil. No mesmo passo, a discussão sobre as frequências do 5G será uma pauta importante em 2021. O mundo se dividiu em dois ecossistemas tecnológicos. Muitos pesquisadores denominam o cenário como uma “Guerra Fria Tecnológica”. Ao Brasil, restará tomar posição dentro dessa “guerra".

 

Multilateralismo 

O Brasil acaba de receber aprovação do Congresso para um crédito que servirá também, para o pagamento de dívidas com organismos internacionais. A dívida com as Nações Unidas deverá ser paga até 31 de dezembro de 2020 e gira em torno de 113 milhões de dólares. Se não pagar, o Brasil perderá o seu direito de voto na Assembleia Geral. Outro destaque será a negociação do Brasil para o ingresso na OCDE.

 

Reputação Internacional 

No primeiro semestre de 2021, o principal marcador da reputação internacional dos países será a política pública da vacina. Muitos países estão gerenciando os seus programas de vacinação, inclusive vizinhos brasileiros como a Argentina. No Brasil, as indefinições ainda imperam.

  


Gostou? Compartilhe