OPINIÃO

MP de São Paulo arquivou

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O MP de São Paulo arquivou a acusação feita à Prevent Senior. Resumidamente, as irregularidades encontradas, segundo o MP paulista, seriam de menor gravidade, não exigindo denúncia por crime de adulteração e outros. Observadores já alertaram que as denúncias no MP não esgotaram a investigação. Vários nomes citados no caso não foram ouvidos. No âmbito da CPI do Senado, no entanto, a conversa parece ser diferente. Os últimos depoimentos colhidos estariam indicando graves circunstâncias negacionistas, envolvendo inclusive laudos de necropsia. O dito plano de saúde, mesmo diante da obrigatoriedade de registrar os casos de covid-19, teria omitido os dados forjando outras causas de internação e até óbito.

 

Pobreza menstrual

A rudeza decorrente da diferença social, com excessivo grau de pobreza que aflige as adolescentes, ocorre há mais tempo. O momento de pandemia tem evidenciado circunstâncias de constrangimento e risco à saúde para mocinhas. O assunto não visitava as pautas de preocupação com a saúde de meninas. As inconvivências, tornam a falta de acessibilidade aos absorventes um dilema a mais para que a vida retorne ao esperado normal. A facilidade com que o presidente vetou a proposta de auxílio para meninas carentes deste recurso mínimo de sobrevivência causou perplexidade com ampla propagação na mídia. Felizmente a abordagem dessa prioridade de atenção humanitária ganha força em todos os setores. Papel importante da imprensa. Os recursos necessários para a intervenção do estado parecem plenamente viáveis. O socorro é urgente. A ausência da ajuda pública estaria travando as condições mínimas de saúde e liberdade psicológica, principalmente na retomada do ensino. O virtuoso líder Leonel Brizola já advertia que as condições de alimentação, higiene e habitação são fundamentais para a sobrevivência das gerações.

 Preservar lucidez

O ritmo tumultuado do cotidiano em pleno combate à pandemia pressiona a convivência. Vê-se no trânsito, nas filas de bancos e lotéricas, no transporte coletivo, e em toda parte, uma demanda reprimida de ações que antes faziam o cotidiano frenético, especialmente nas cidades. A necessidade do distanciamento, uso da máscara e a raridade dos contatos, tornam o clima repleto de ansiedades. Com as primeiras aberturas de locais públicos já surgiram afogamentos em balneários e praias, excessos de velocidade nas rodovias. Na ânsia de agilidade para o trabalho e para o deslocamento, o trânsito apresenta momentos de tensão. São buzinadas de intolerância, distração de pedestres e atitudes acintosas de irritação, sem justa causa. Como se vê, a excessiva pressa é risco de complicação. Por isso, é hora de manter a lucidez, com dose respeitável de tolerância ante de comportamentos que, sem dúvida, são diferentes. O aprendizado do respeito pelas dificuldades das pessoas deve formar nova consciência nas relações. É claro, precisamos todos correr para compensar perdas, mas é bom lembrar: “Festina lente” (devagar se vai longe”).

Pesquisa

A redução no orçamento para pesquisa científica pode ser mais danosa ao presente e futuro do país. O próprio ministro da Ciência e Tecnologia acusou o golpe. Estaríamos perdendo pesquisadores que ficam desanimados com a inanição do setor no nosso país, que é sim nação do futuro.

Dr. Christiano

O magistrado Luís Christiano Enger Aires está informando sua aposentadoria após 43 anos de trabalho, 30 dos quais na magistratura. Na comarca de Passo Fundo foram 26 anos de trabalho. Luís Christiano devotou seus sólidos conhecimentos jurídicos à missão de fortalecer a justiça com ilustrada atuação na justiça social. Sua missão é uma das mais elevadas atuações na atividade judiciária. É o que se descreve juiz de escol.

Creche

Os primeiros levantamentos sobre retorno da primeira infância à atividade escolar são preocupantes. Logicamente estamos vivendo período excepcional, carregado de dilemas, em decorrência da longa epidemia. Falamos desta preocupação com a demora em adaptação às creches às exigências sanitárias. Esse atendimento deve ser prioritário, por que envolve educação, amparo à família, saúde psíquica, e nutrição dos pequeninos.


Gostou? Compartilhe