Advogada é presa após realizar arrastão em lojas

A mulher teria passado por diversos estabelecimentos comerciais da Av. Brasil e shopping realizando os furtos.

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma advogada filha de ex-delegado foi presa após realizar arrastão em lojas da Avenida Brasil e no shopping.  A mulher, de 40 anos, foi abordada por policiais da Bike Patrulha da Brigada Militar com mais de 14 peças de roupa de diversas lojas da Av. Brasil, além de estojos de maquiagem, três óculos e algumas cartelas de adesivo para as unhas. Segundo relatos do segurança de uma das lojas, a acusada teria entrado onde ele trabalha e saído rapidamente. Quando saiu, ainda disse para o segurança que não havia encontrado nada para o tamanho do filho dela.

Desconfiado, ficou observando a mesma abrir o carro e tirar de dentro de sua bolsa algumas peças de roupas, sem sacola. O segurança da loja de roupas infantis anotou a placa do veículo Fiesta, cor branca e verificou as câmeras de segurança que acusaram o momento em que a advogada teria furtado as peças, das primeiras estantes. 

Segundo os relatos, a mulher ainda passou pela frente da loja, entrando em outro estabelecimento próximo, onde, provavelmente, realizaria outro furto. Os funcionários foram avisados do ocorrido e ficaram atentos a movimentação.

Quando a proprietária do Fiesta, com licenciamento vencido, chegou ao veículo, o segurança lhe barrou e pediu que devolvesse as peças que havia furtado. A mulher se alterou, tentando entrar no veículo, mas o homem continuou na frente da porta, barrando a passagem. A mesma teria ameaçado ligar para polícia, dizendo ter pressa para ir para uma audiência, momento que os policiais realizaram a prisão da mesma e apreensão dos objetos.

Na sala de triagem da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento, a mulher alegou que  os objetos eram comprados e justificou ter colocado as notas fiscais fora. O furto descuido, é um furto simples, o que permite pagamento de fiança. A delegada plantonista, Raquel Kolberg, estipulou a fiança no valor de três mil reais, avaliando as condições econômicas, antecedentes e diante de outros parâmetros fixados em lei.

 

 

Gostou? Compartilhe