Camaro apreendido em operação é doado à PC

A manutenção do veículo será custeada com os valores apreendidos, sem despesas para o Estado

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A nova viatura da Polícia Civil de Passo Fundo, um GM/Camaro SS, foi apresentado na manhã de terça-feira (4), em solenidade na sede do Ministério Público Estadual. O carro de luxo, avaliado em R$130 mil, foi apreendido na Operação Pólis, contra o golpe do bilhete no município, em junho do ano passado. O proprietário teria adquiro o veículo com dinheiro ilícito após golpes em vítimas no Rio Grande do Sul e outros quatro estados. O carro, que tradicionalmente leva a cor amarela, já exibe a identificação da Polícia Civil. Ele faz parte da frota da Delegacia de Repressões às Ações Criminosas Organizadas (Draco), e será utilizado em situações específicas e não no trabalho diário.

 

Após autorização judicial, concedida pelo Juiz Alan Peixoto de Oliveira, da 2ª Vara Criminal, foi realizado os tramites internos administrativos, e em parceria com o Ministério Público, através do Promotor Júlio Ballardin, foi destinado verba para o envelopamento, grafismo e colocação das luzes e sirenes no Camaro. Estes serviços foram realizados por duas empresas, que cobraram somente pelo valor dos custos dos materiais. Além disso, as trocas de óleos e filtros, sempre que necessário, será realizado por um posto de combustível parceiro da Draco.

 

Já a manutenção realizada para ficar em condições de utilização, bem como futuras manutenções, serão custeadas com os valores apreendidos com o investigado que possuía o Camaro. Assim, a Polícia Civil/RS, não terá qualquer custo com a manutenção do veículo, somente o eventual consumo de gasolina. A utilização do Camaro é um marco no combate ao crime organizado, visto ser um veículo que era ostentado pelos investigados sendo produto de lavagem de dinheiro, e agora está sendo utilizado pela Polícia no combate a esses criminosos.

 

Operação Pólis
Após um ano da conclusão da 1ª fase das investigações da Operação Pólis, os elementos colhidos na investigação impressionam. Segundo a Polícia Civil e o Ministério Público, entre 2012 e 2018 os estelionatários movimentaram mais de R$ 1 bilhão somente nas contas bancárias. Estima-se que desde os anos 2000, os estelionatários de Passo Fundo movimentaram mais de R$10 bilhões com veículos, imóveis e valores obtidos com os crimes de estelionato. Já há inquéritos policiais remetidos ao Poder Judiciário com dezenas indiciados, denúncias e quatro investigados presos preventivamente.

 

Números da Pólis
- Mais de 2000 quebras de sigilo (fiscal, bancário, financeiro, telefônico)
- Mais de 250 veículos com restrições (apreendidos, fiel depositário, busca e apreensão)
- Mais de 150 imóveis com restrições de alienação
- Aproximadamente R$150 milhões entre bens móveis e imóveis apreendidos ou restritos
- Aproximadamente 400 pessoas investigadas entre estelionatários e laranjas 

Gostou? Compartilhe