Vítima atingida por fachada segue internada

?EURoeNão houve nenhum tipo de assistência?EUR?, diz advogada de vítima sobre auxílio de mercado

Por
· 1 min de leitura
Estrutura desabou na noite de segunda-feira. Perícia deve apontar as causasEstrutura desabou na noite de segunda-feira. Perícia deve apontar as causas
Estrutura desabou na noite de segunda-feira. Perícia deve apontar as causas
Você prefere ouvir essa matéria?

Marco Aurélio Duarte Robalo, de 35 anos, atingido na cabeça pela fechada do supermercado Compre Bem, na noite de segunda-feira (14), ainda não recebeu “nenhum tipo de assistência” da empresa, denunciou nesta quarta-feira (16) a advogada da vítima, Ariane Franciosi Sena. De acordo com ela, a vítima permanece internada e não reconheceu família. O mercado foi procurado, mas não retornou à reportagem.


Segundo Ariane, Robalo está estável, porém precisa ser sedado devido à agitação. “Quando ele fica sem a sedação ele fica muito agitado, tenta retirar a sonda. Ele teve uma contusão hemorrágica dentro da cabeça”, explica o quadro. Em um dos momentos em que esteve sem os sedativos, Ariane disse que a vítima não reconheceu a família, o que preocupa.


O mercado, conforme a advogada, também não procurou a família, que permanece com o tratamento no Hospital das Clínicas, pelo Sistema Único de Saúde.


No dia do acidente, segunda-feira, Robalo havia saído da metalúrgica em que trabalha, próximo ao mercado, bateu o ponto às 18h47 e desceu ao Compre Bem comprar um lanche. Foi quando saiu do local que foi atingido na cabeça pela fachada.


A cobertura de cerca de 30 metros de comprimento desabou e Robalo foi o único atingido. Com o impacto, a vítima convulsionou e foi auxiliada pelo Corpo de Bombeiros, que o levou ao Hospital das Clínicas.


O Supermercado se manifestou na terça-feira (15) por meio de nota. A empresa atribui, “provavelmente”, aos “fortes ventos que atingiram a cidade no horário” à queda da fachada. Segundo o meteorologista Ivegdonei Sampaio, da Embrapa Trigo, no momento da queda os ventos na cidade estavam em 55 quilômetros por hora.


Na nota, a empresa aponta que a fachada era uma “estrutura nova, instalada ainda no corrente ano” e “ executada seguindo todas as normas técnicas legais”. “Diante disso, a empresa lamenta o ocorrido, salientando que está apurando as efetivas causas do acidente, bem como, colaborando de forma irrestrita com as autoridades que investigam o fato, e ainda, prestando a assistência necessária à pessoa atingida no acidente.”


A reportagem ligou para a empresa, mas não recebeu retorno até o fechamento desta edição

Gostou? Compartilhe