Governo entrega relatório das rodovias pedagiadas

"Com o relatório pudemos comprovar que as empresas não cumpriram com as obrigações contratuais"

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O Governo do Estado, por meio dos secretário da Casa Civil, Carlos Pestana, da Infraestrutura, Caleb de Oliveira, do diretor-presidente da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), Luiz Carlos Bertotto, e do secretário extraordinário da Representação do Governo do Estado em Brasília, Hideraldo Caron, entregou ao Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, o relatório produzido pelo Consórcio Dynatest-SD sobre as condições das rodovias estaduais e federais pedagiadas localizadas no Rio Grande do Sul. 

Segundo Pestana, o estudo deu condições técnicas para fazer as discussões necessárias sobre as condições das rodovias pedagiadas. "Com o relatório pudemos comprovar que as empresas não cumpriram com as obrigações contratuais, já que 30% das estradas possuem problemas de conservação. Já tínhamos, também, a convicção de que as tarifas dos pedágios eram abusivas, mas os estudos comprovam que o valor poderia ser 20% mais baixo, e a cada trecho de 200 quilômetros, entre 30 e 40 quilômetros deveriam estar duplicados", explicou. 

Durante a reunião, também foi debatido o futuro das rodovias federais após o fim das concessões. Na ocasião, o Ministro dos Transportes asegurou que a União, por meio do Dnit, vai garantir os serviços de conservação e manutenção das vias. "Contando com este levantamento feito pelo Estado vamos definir o melhor caminho e projeto para as estradas federais", afirmou Passos. Neste primeiro momento, os trechos federais não terão pedágios, e somente após constatação da necesidade de obras o Governo Federal analisará outras possibilidades.

Por fim, o ministro foi convidado para a audiência pública regional no dia 4 de março, em Carazinho, quando serão prestados esclarecimentos para a comunidade sobre o fim dos pedágio. A concessão do Polo de Carazinho, composta por trechos das BRs 285 e 386, encerra no dia 6 de março.

 

Gostou? Compartilhe