Maria do Rosário cumpre agenda sobre direitos humanos em Passo Fundo

De férias, a ministra se reuniu com entidades da sociedade civil durante a tarde de ontem

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, esteve em Passo Fundo na tarde de ontem (17) com o objetivo de potencializar o trabalho já realizado em convênio com entidades da sociedade civil. “Temos uma atuação combinada de articulação contra a violência e apoio aos setores mais vulneráveis, como por exemplo, as pessoas com deficiência que são uma prioridade para a presidente Dilma. No Brasil são 45 milhões de pessoas com deficiência, de acordo com o senso 2010”, disse a ministra sobre o trabalho da pasta. A visita trouxe oportunidade de diálogo com os setores, mas nenhum anúncio foi feito sobre verbas ou novos programas para o município.

O encontro que ocorreu, às 15h, foi articulado pela vereadora Claudia Furlanetto (PT) responsável pelo convite às entidades relacionadas ao tema da pasta.  “Mesmo de férias, a ministra resolveu dar uma passada aqui no Rio Grande do Sul, pelo interior, para visitar os companheiros de partido. Eu, em específico, tenho a mesma bandeira de trabalho que ela que são os direitos humanos, além disso, dou da mesma tendência política que ela dentro do partido”, comentou sobre a relação com a ministra. A conversa com as entidades aconteceu no Ifibe e reuniu aproximadamente 80 pessoas de diversas entidades ligadas à defesa dos direitos das pessoas com deficiência, crianças e adolescentes, mulheres, negros e movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), entre outros setores. Representantes de instituições superiores de ensino e de órgãos de Segurança e Justiça também compareceram.

Ecoterapia

A agenda de Maria do Rosário na cidade incluiu também uma visita à Fazenda da Brigada Militar, onde conheceu o trabalho de ecoterapia voltado às pessoas com deficiência. “Este é um trabalho social e de dimensão humana muito singular nesta questão das crianças que são atendidas, estimuladas e trabalhadas a partir do contato com os animais, no caso dos cavalos”, elogiou. A presidente Dilma Rousseff lançou, em 2011, o Plano Viver Sem Limite que visa a promoção “de políticas públicas consolidadas e inovadoras” para o direito das pessoas com deficiência. O plano pode vir a abranger o trabalho realizado pela BM. “Este programa (de ecoterapia) tem sido muito relevante. Já recebemos uma série de documentos sobre ele e conhece-lo é importante para leva-lo para dentro do Programa Brasil Sem Limite”, explicou.

Movimento LGBT

Em rápida conversa com a imprensa, Maria do Rosário comentou a importância do contato com a comunidade LGBT em Passo Fundo. No final da tarde a ministra teve um encontro com representantes do movimento. “Este pessoal tem sido lutador demais e contribuído no Brasil para enfrentar uma das formas mais perversas de violência que são os crimes homofóbicos. Nós não negamos a questão da violência no Brasil, nós trabalhamos justamente para superá-la e o primeiro passo é, justamente, admitir a existência destas situações homofóbicas e racistas que trabalhamos tanto para superar”, disse.

População carcerária

Outro tema abordado foi a situação da população carcerária. No município, o Presídio Regional funciona com aproximadamente o dobro da capacidade. Embora o foco da visita tenha sido o contato com as entidades civis, a ministra adiantou que o problema será tratado em breve. “Tenho uma reunião pré-agendada com o Governo do Estado. A Secretaria dos Direitos Humanos e o Ministério da Justiça estão acompanhando a situação do Rio Grande do Sul não apenas a partir do Presídio Central (em Porto Alegre, recentemente denunciado à Organização dos Estados Americanos devido às péssimas condições). Para Passo Fundo há recursos determinados para a construção do presídio há algum tempo. Temos que viabilizar que estes recursos que estão disponíveis ao Governo Estadual, Susepe e Secretaria de Segurança sejam efetivados e se transformem em obras, tendo condições de atender tanto ao universo masculino, quanto ao universo feminino. Esta é uma meta que temos para o rio Grande do Sul”, afirmou.

Gostou? Compartilhe