Advogado de Temer entrega defesa do presidente sobre denúncia na Câmara

Sustentação oral só vai ocorrer depois do parecer do relator na CCJ

Por
· 1 min de leitura
Advogado de Temer, Mariz de OliveiraAdvogado de Temer, Mariz de Oliveira
Advogado de Temer, Mariz de Oliveira
Você prefere ouvir essa matéria?

Advogado de Michel Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira entregou na tarde desta quarta-feira na Câmara dos Deputados a defesa sobre a denúncia de corrupção passiva apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente. Mariz entrou na sala da Presidência da CCJ acompanhado de Carlos Marun e Darcísio Perondi. Outro advogado de Temer, Gustavo Guedes, também estava presente. A sustentação oral da defesa só vai acontecer depois do parecer do relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), como é de praxe.

A partir do momento em que for feita a sustentação oral, passará a contar um prazo de cinco sessões da Câmara para que a CCJ se manifeste sobre a denúncia. O relator Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) deve apresentar seu parecer na próxima segunda-feira, dia 10, conforme antecipou O GLOBO.

Em seguida a defesa se pronunciará, e a expectativa é que haja um pedido de vista. Se isso se confirmar, somente na quarta-feira, dia 12, seria retomado o assunto e iniciado o debate, com previsão de mais de 40 horas de discussão.

Após se reunir com todos os partidos, Pacheco decidiu dar a todos os 132 membros da CCJ — 66 titulares e 66 suplentes — o direito de discursar. Cada um poderá falar por 15 minutos.

Além deles, outros 40 deputados que não integram a CCJ poderão debater o assunto também: 20 contra a denúncia e 20 a favor. Nesse caso, o tempo será de 10 minutos. Afora o tempo concedido a líderes de partidos que o solicitarem.

Depois do debate, o relator pode defender seu relatório por 20 minutos e a defesa de Temer pode falar em seguida, também por 20 minutos.

Depois de tudo isso, os deputados votam em painel nominal. Seguindo esse rito, dificilmente a denúncia será votada na CCJ na próxima semana, devendo-se a estender para a semana do dia 17 de julho.

Fonte: Jornal O Globo

Gostou? Compartilhe