Como está a sua fertilidade?

O tempo e outros fatores diminuem as chances de ter uma gestação

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A mulher que deseja engravidar deve estar atenta às condições de sua fertilidade. O tempo é um inimigo natural, mas a falta de exames periódicos e alguns hábitos também podem ser prejudiciais para quem deseja ser mãe. Então, como a mulher pode saber como está a sua fertilidade? A Dra. Sofia Noskoski explica que ela pode observar se os seus ciclos menstruais estão regulares, através do aumento da temperatura corporal na metade do ciclo associado à presença de muco hialino e ainda a uma cólica de curta duração neste período (dor da ovulação). Todos estes sinais e sintomas ela pode perceber sem o uso dos contraceptivos hormonais que bloqueiam a ovulação. Além destes, podemos realizar alguns exames hormonais, exame de ovulação, contagem de folículos antrais, entre outros.

 

O espermatozoide
A médica ginecologista, membro do corpo clínico do Hospital de Clínicas de Passo Fundo, destaque que a fertilidade não é verificada apenas pela reserva ovariana ou ovulação. Para que a gravidez ocorra é necessário também um espermatozoide de boa qualidade que fecunde o óvulo e que a mulher, além de uma ovulação adequada, tenha trompas pérvias e tenha um útero que esteja apto para a implantação do embrião. Para avaliar todo este processo, normalmente é necessária a realização de vários exames os quais são indicados se houver uma suspeita de infertilidade. Esta é definida após 12 meses de tentativas de gravidez para mulheres abaixo dos 35 anos e após 6 meses para as que têm 35 anos ou mais, podendo ser antecipada se houver alguma suspeita na avaliação clínica.

 

Parâmetros
Existem alguns exames que podemos avaliar a reserva ovariana, a obstrução das trompas e as alterações do útero. Deve-se analisar todos os exames e avaliar individualmente o perfil de cada mulher para poder predizer a capacidade de gravidez.

 

O tempo é um inimigo
A idade com menor risco de complicações na gravidez e no pós-parto segundo alguns trabalhos é dos 25 aos 29 anos. Consideramos que a taxa de gravidez após um ano de tentativa com 20 a 24 anos é em torno de 86%, dos 25 aos 29 anos 75%, dos 30 aos 34 anos 60% e após os 35 anos há um declínio ainda maior. Por isso, incentivamos as mulheres a engravidar antes dos 35 anos devido a um aumento da infertilidade após essa faixa etária. A partir dos 35 anos a gravidez pode ser de risco.

 

Outros fatores
Além da idade, outros fatores podem ser prejudiciais à fertilidade. O tabagismo, quimioterapia, radioterapia, doença inflamatória pélvica, histórico de doenças sexualmente transmissíveis, cirurgias pélvicas, obesidade, estresse, consumo excessivo de álcool, cafeína, drogas ilícitas e prática de exercícios físicos extenuantes.

 

Acompanhamento
Um acompanhamento periódico pode detectar alterações. Os exames e check-ups são importantes para uma avaliação global da mulher. Podemos observar alterações no exame físico e sintomas que nos alertam para uma investigação mais precoce e que podem interferir na fertilidade.

 

Atenção à alimentação
Os hábitos alimentares podem ser prejudiciais ou benéficos. Alimentos gordurosos, muito carboidrato e pouca ou nenhuma vitamina desequilibram os hormônios e prejudicam, sim, a fertilidade. Alimentos de alto índice glicêmico, como arroz branco e batata, também precisam ser evitados, pois podem atrapalhar a fecundação. Segundo pesquisadores de Harvard, alimentos com baixo índice glicêmico – como ameixa, atum light, aveia em flocos, batata-doce, crustáceos, iogurte desnatado e feijão fradinho, entre outros – podem ajudar a fecundação. Uma alimentação saudável é, portanto, essencial para que a mulher tenha melhores condições de engravidar.

 

Estresse
O estresse e a vida sedentária são prejudiciais. Com certeza, o estresse e a obesidade podem bloquear a adequada pulsatilidade hormonal e causar uma irregularidade menstrual, suprimindo a menstruação e dificultando a ovulação e a gravidez. Álcool, cigarro e drogas também diminuem a fertilidade.

 

Combatendo à infertilidade
Quando há infertilidade existem caminhos para reverter o quadro. Mas depende muito de qual alteração o casal possui. Alguns casos podem ser resolvidos com uma simples redução do peso corporal ou uma indução de ovulação com medicamentos ou, ainda, ser necessária a realização de uma cirurgia. Nos casos mais graves ou que não achamos uma causa da infertilidade, pode haver necessidade de se realizar uma inseminação ou uma fertilização in vitro (FIV).

Gostou? Compartilhe