Atenção ao Transtorno de Ansiedade Generalizada

Brasil está no topo do ranking do transtorno no mundo

Por
· 1 min de leitura
Dr. Diego Giacomini é médico psiquiatraDr. Diego Giacomini é médico psiquiatra
Dr. Diego Giacomini é médico psiquiatra
Você prefere ouvir essa matéria?

É bastante perceptível um aumento da procura, nos consultórios psiquiátricos por pacientes ansiosos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, aproximadamente 9,3% da população brasileira sofre com sintomas ansiosos, o que confere aos brasileiros o topo do ranking mundial, quando se fala em ansiedade. 

 

Entre os motivos para tanta ansiedade aponta-se relação ao tempo que a pessoa passa conectado às redes sociais. “Fatores como isolamento e restrição do contato interpessoal, em virtude da priorização das relações virtuais, têm colaborado muito com o aumento da ansiedade na população mundial. Sobretudo no Brasil”, explica o psiquiatra do Instituto de Psiquiatria e Psicoterapia (IPP), Dr. Diego Giacomini.

 

Diferença
O especialista esclarece que existe uma diferença entre a ansiedade normal, inerente ao ser humano em algumas situações, e o Transtorno de Ansiedade Generalizado (TAG). O transtorno faz parte das síndromes ansiosas e se caracteriza por um padrão de ansiedade persistente e difusa. Apresenta-se como uma preocupação excessiva e desproporcional com as situações diárias, com caráter generalizado. “Quando a ansiedade confere sofrimento e comprometimento funcional para as atividades diárias, deve-se buscar tratamento psiquiátrico, pois pode tratar-se de TAG”, esclarece o médico. Além disso, é bastante comum o paciente ansioso também apresentar distúrbios do sono, distúrbios alimentares e dores pelo corpo.

 

Ansiedade
O psiquiatra comenta que sintomas depressivos frequentemente estão associados à ansiedade, muito relacionado à frustração de não conseguir lidar com os sintomas ansiosos. Apesar disso, não existe um grupo de risco específico para TAG, apesar dos transtornos ansiosos serem um pouco mais frequentes no sexo feminino. “Existem comportamentos de risco que se relacionam com uma maior exposição a situações estressoras no trabalho, convívio social e familiar”, frisa.

 

Tratamentos
Giacomini orienta o tratamento diferenciando duas abordagens: farmacológicas e não farmacológicas. Quanto aos medicamentos disponíveis para o tratamento da ansiedade ele destaca a classe dos antidepressivos, usados com a intenção de prevenir os sintomas ansiosos, e os benzodiazepínicos, conhecidos como “tarjas pretas”, aliados para o alivio rápido dos sintomas nas crises de ansiedade. De acordo com o especialista as diferentes modalidades de psicoterapia tem grande importância no tratamento. Além do tratamento psiquiátrico, o médico afirma que muitas são as medidas que podem ser adotadas para diminuir a ansiedade e ter melhor qualidade de vida. “Instituir uma rotina de atividade física regular, ter boa qualidade de sono e satisfatórias atividades sociais e de lazer auxiliam muito para reduzir a ansiedade. Uma vida mais equilibrada é fundamental e contribui muito para a saúde mental. Mesmo assim ressalto a importância de se procurar ajuda profissional especializada, com um psiquiatra e um psicólogo, para conseguir tratar a ansiedade deforma adequada”, finaliza.

Gostou? Compartilhe