Desconhecimento sobre a sepse retarda os diagnósticos

A doença é popularmente conhecida como infecção generalizada

Por
· 1 min de leitura
Dra. Clarissa Oleksinski é médica infectologista do HCPFDra. Clarissa Oleksinski é médica infectologista do HCPF
Dra. Clarissa Oleksinski é médica infectologista do HCPF
Você prefere ouvir essa matéria?

A sepse representa uma crise global de saúde, atingindo mais de 27 milhões de pessoas por ano no mundo. “A sepse é um conjunto de sinais e sintomas que ocorrem no organismo em resposta a uma infecção, popularmente ela é conhecida como infecção generalizada.” esclarece a médica infectologista do Hospital de Clínicas de Passo Fundo, Dra. Clarissa Oleksinski. Embora as pessoas hospitalizadas estejam mais sujeitas ao desenvolvimento da doença devido às suas condições de saúde, a sepse também pode se manifestar em pessoas com o sistema imunológico debilitado. “A sepse representa hoje grande parte dos óbitos dentro das instituições hospitalares. Porém, ao contrário do que se pensa, essa síndrome não é exclusiva de pacientes internados, ela representa uma grande parte dos atendimentos nos serviços de urgência e emergência,” complementa Dra. Clarissa. Crianças com menos de um ano e idosos integram o grupo de risco para o desenvolvimento da doença.

 

Sinais e sintomas
As infecções são a principal causa da sepse, podendo se manifestar na corrente sanguínea, no trato urinário, na área abdominal (apendicite, diarreia infecciosa, infecção da vesícula, etc..), nas membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal (meningite), entre outros. “Os sinais e sintomas da sepse são: febre alta, pressão baixa, alteração do nível de consciência, respiração rápida e ofegante, batimentos cardíacos acelerados e diminuição do volume de urina.” explica a infectologista do HC, Dra. Clarissa Oleksinski.

 

Protocolo específico
O Hospital de Clínicas possui implantado um protocolo específico para o atendimento dos casos de sepse, com o objetivo de reduzir as taxas de mortalidade em consequência da sepse grave, através da capacitação da rede de assistência. “Para atendimento rápido e efetivo dos casos de sepse, o Hospital de Clínicas possui um protocolo implantado na instituição. Além disso, contamos com o apoio e a consultoria do Instituto Latino Americano de Sepse para aperfeiçoamento do nosso protocolo.” completa.

 

Falência múltipla
Se não for reconhecida a tempo, a sepse pode levar à falência múltipla de órgãos e a morte. A conscientização cumpre um importante papel no reconhecimento dos sinais e sintomas para a busca de auxílio médico. “Quanto mais rápida é tratada esta síndrome, maiores as chances de sobrevida. Portanto, é importante ficar atento aos sinais e sintomas para a busca de atendimento médico o mais rápido possível.” finaliza a infectologista.

Gostou? Compartilhe