Os tratamentos para a dor crônica

Procedimentos devolvem qualidade de vida aos pacientes

Por
· 1 min de leitura
Neurocirurgião avaliou paciente após o procedimentoNeurocirurgião avaliou paciente após o procedimento
Neurocirurgião avaliou paciente após o procedimento
Você prefere ouvir essa matéria?

Sentir dor é algo que causa estranhamento para o ser humano. Quando sentimos dor, buscamos o médico, um tratamento, pois aquilo nos incomoda. Porém, muitas doenças causam dor crônica, o que é incapacitante para algumas pessoas, e, mesmo com o avanço das medicações do tratamento convencional, não consegue uma melhora satisfatória de seus sintomas. Diante deste problema, estudos clínicos têm mostrado que a utilização da infusão intratecal das medicações através de bombas de infusão implantáveis tem apresentado melhora significativa no controle das dores e com menos efeitos colaterais, pois utilizam doses menores das medicações.



Bomba de infusão
Conforme o neurocirurgião, Diego Cassol Dozza, que atua no corpo Clínico do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, a bomba de infusão implantável é um tratamento no qual um cateter é colocado dentro da coluna do paciente, mais precisamente no espaço subdural, onde há o famoso “líquido da espinha”, e é conectado sob a pele com a bomba infusora, espécie de “marcapasso”, que fica implantada no abdômen, abaixo da pele e sobre a musculatura. “Então, calcula-se a dose que será liberada continuamente ou em pulsos, atuando de forma mais precisa diretamente sobre o sistema nervoso”, explica.

 

Sequelas de paralisia cerebral
Outro uso para a bomba de infusão é para a espasticidade/distonia que ocorre em casos como sequela de paralisia cerebral, AVC, trauma medular, esclerose múltipla. “Nesses casos a medicação utilizada é o baclofeno intratecal no qual a dose é muito inferior a utilizada pela via oral e com potencial de ação e efetividade muito maior, permitindo controle da espasticidade com redução das dores causada por ela, cãibras, melhora da contratura para a realização da fisioterapia, dentre outros”, evidencia Dr. Dozza, que realizou um procedimento para espasticidade, na última semana no Hospital São Vicente, com o intuito de devolver qualidade de vida, a paciente Caroline Veronica Dallanora, 23 anos,  que perdeu os movimentos de pernas e braços, em uma acidente. “A bomba infusora instalada libera a dose da medicação que faz com que a musculatura do corpo solte, podendo ser trabalhada pela fisioterapia. Isso, traz mais qualidade de vida ao paciente, como é o caso da Caroline”, pontua o neurocirurgião.

(Leia mais no caderno impresso Medicina & Saúde)

 

Gostou? Compartilhe