Seminário reúne especialistas para debater os desafios na retomada dos procedimentos de saúde eletivos

O presidente da Federação dos Hospitais Filantrópicos do RS e administrador do HC, Luciney Bohrer participou do painel

Por
· 2 min de leitura
Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução
Foto: Reprodução
Você prefere ouvir essa matéria?

Na noite de quinta-feira (24/06) a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul promoveu a terceira edição do Seminário “O RS pós-pandemia”. O evento foi mediado pelo presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Gabriel Souza e teve a participação dos painelistas João Gabbardo, ex-secretário de Saúde do RS e Eduardo Trindade, vice-presidente do Cremers. 

Como debatedores, contribuíram com o evento o presidente da AMRIGS, Gerson Junqueira Junior, o presidente do Simers, Marcelo Matias, a prefeita de Cruz Alta, Paula Librelotto, o presidente da Federação das Santas Casas do RS e administrador do Hospital de Clínicas de Passo Fundo, Luciney Bohrer, além do diretor geral da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Júlio Dornelles. 

Os especialistas abordaram os desafios no atendimento e assistência da demanda reprimida de procedimentos eletivos e as expectativas no pós-pandemia. O presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Gabriel Souza, que visitou o Hospital de Clínicas no mês de junho também destacou o trabalho realizado na instituição.  

“Fiquei impressionado com a gestão do Hospital de Clínicas de Passo Fundo. O Hospital possui uma indústria farmacêutica para produção de medicamentos manipulados, onde não se produzem apenas medicamentos, mas também produtos de limpeza do hospital para que haja maior economicidade e eficiência. É uma gestão diferenciada.” pontuou o presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Gabriel Souza.  

O administrador do HC e presidente da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do RS, Luciney Bohrer explanou sobre os desafios atuais dos 238 hospitais filantrópicos do RS no enfrentamento à doença.  

“Graças à luta de muitos idealizadores, pessoas que trabalharam para manter as casas filantrópicas abertas, é que nós tivemos esta espinha dorsal para poder enfrentar este momento muito difícil. Aqui nos hospitais é que nós encontramos toda a dor dos pacientes, o seu momento de tristeza ou de alegria. Neste momento em que precisamos, muitas vezes, fortalecer o nosso corpo de funcionários, quero fazer um agradecimento a todos os colaboradores e médicos dos hospitais filantrópicos. A soma destas forças é que fez com que a gente conseguisse enfrentar esta pandemia como estamos enfrentando.” destacou o presidente da Federação RS.  

A demanda dos pacientes que necessitam de assistência para a reabilitação de sequelas ocasionadas pelo coronavírus e precisarão do auxílio contínuo dos profissionais de saúde e das instituições hospitalares também foi abordada, considerando ainda o agravamento do quadro clínico de pacientes que tiveram suas cirurgias eletivas adiadas devido a pandemia. “Estamos hoje com instituições em dificuldades financeiras, dificuldades de recursos humanos, que estão sim em esgotamento mental e físico e estamos tendo a chegada daqueles pacientes que eram agudos e agora estão em situação crônica, que não conseguiram realizar as suas cirurgias e chegam com complicações. Aqueles pacientes curáveis que poderiam ter feito as suas cirurgias e que hoje estão fazendo procedimentos em cuidado paliativo.” alertou Luciney. 

O presidente da Federação dos Hospitais Filantrópicos do RS, Luciney Bohrer propôs a discussão de um novo modelo de cofinanciamento dos hospitais e Governo do Estado. “Neste momento de pandemia ficou evidente a importância de se ter um hospital fortalecido, pronto para receber esta população que precisa e que nós temos o dever de assistir. Precisamos criar um fórum, onde todos os atores possam discutir de forma paritária, criar uma nova forma de remuneração para os hospitais, para que eles possam ter condições de atender mais pessoas. Esta pandemia com certeza terá um reflexo por muitos anos, nós teremos este impacto na vida das pessoas e precisamos atenuar o máximo possível na questão da saúde.” finalizou.  

O debate completo pode ser acessado no link -> https://www.youtube.com/watch?v=hcNul6jIpPQ 

Gostou? Compartilhe