O cinquentenário do Sindicato dos Trabalhadores Rurais

Em 50 anos, número de produtores rurais caiu 80% em Passo Fundo. Comemorações acontecem neste sábado (8)

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Produtores rurais de Passo Fundo, Mato Castelhano e Coxilha comemoram no próximo sábado (8) os 50 anos de atividade do Sindicato dos Trabalhadores Rurais. O cinquentenário será lembrado em um churrasco festivo no CTG Tropel de Caudilhos para cerca de 350 agricultores da região.

Conforme o presidente do Sindicato, Alberi Ceolin, o sindicato foi criado em 25 de julho de 1962, com a missão de oferecer especialmente aos associados assistência médica e dentária. Na época a entidade chegou a ter mais de cinco mil filiados já que diversos municípios menores da região ainda eram pertencentes a Passo Fundo. “Depois com a criação das unidades de saúde do SUS nas zonas rurais, muitos acabaram deixando o sindicato, que passou então a ocupar uma posição de reivindicação de diretos dos trabalhadores, como aposentadoria e melhoria das condições de trabalho na propriedade”, explicou.

O sindicalista relata ainda que nos últimos 50 anos as características do município e das pequenas e médias propriedades mudaram muito. Passo Fundo, que chegou ter na década de 70 mais de 24% da população morando em propriedades rurais, hoje tem menos de quatro mil agricultores, o que representa 2,5% dos atuais moradores. Ceolin expõe ainda que os trabalhadores encontram ainda grandes dificuldades para se manter no campo, como o êxodo dos jovens para as cidades, a falta de condições nas estradas, ausência de serviços básicos, como internet e telefone, além dos efeitos causados pela quebra de safra. “Hoje 20% dos agricultores tem 80% da área cultivada. Então, quem sofre mais são os pequenos e médios produtores que sem infraestrutura para sobreviver das quebras de safra, acabam vendendo ou arrendando as terras”, explicou.

Ceolin explica que o Sindicato busca oferecer informações e condições para a permanência no campo. “Aquele que ficou na monocultura não consegue mais se sustentar, especialmente se ocorre uma frustração de safra o produtor se descapitaliza e só resta ele vender ou arrendar a propriedade”, esclareceu. Neste ano, por exemplo, em virtude da seca e da geada que matou as lavouras de milho e trigo, as perdas foram significativas. “Embora o preço da soja esteja alto, a frustração foi muito grande. Quem vendeu antes perdeu dinheiro e quem plantou milho e trigo perdeu tudo na geada”, disse. Problemas como este motivam todo o ano que pelo menos 2% dos agricultores saiam da atividade.

Câmara realiza homenagem a cinquentenário de Sindicato
Por iniciativa do vereador Juliano Roso (PC do B), foi realizada na noite de quarta-feira (5), na Câmara de Vereadores de Passo Fundo, Sessão Solene em homenagem aos 50 anos do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Passo Fundo. Com o Plenário 7 de Agosto ocupado por dezenas de autoridades, convidados, profissionais de imprensa e pessoas da comunidade, Roso, na presença dos colegas de Casa, destacou o histórico do Sindicato, suas lutas e os objetivos de fundação da entidade.

“Na década de 60 as dificuldades no campo eram muitas. A vida era difícil, o agricultor não tinha nenhum amparo. A Igreja, através da Frente Agrária Gaúcha (FAG), tomou a iniciativa de criar sindicatos, e estes passaram a prestar assistência médica e dentária aos agricultores, por ser esta uma das grandes necessidades da época”, relembrou Roso que também destacou ainda a doação e dedicação das lideranças e associados que passaram pela entidade.

Gostou? Compartilhe