CAPA comemora 15 anos

Entidade, administrada por voluntários, abriga mais de 380 animais abandonados, doentes e vítimas de maus tratos

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Fundado em 23 de fevereiro de 2002, o CAPA (Clube dos Amigos e Protetores dos Animais) comemora nesta quinta-feira 15 anos como uma associação sem fins lucrativos. A entidade começou com um grupo de amigas que se preocupava com a situação de diversos animais abandonados em Passo Fundo e decidiu fazer a diferença na vida de cães e gatos, amparando animais abandonados, doentes e vítimas de acidente ou maus tratos, para que, posteriormente, sejam doados a lares responsáveis.
O abrigo funciona na Rua Antero Camargo, na Vila Planaltina, desde que foi fundado, mas já passou por diversas mudanças, para que fosse possível receber mais animais e melhorar a condição de vida deles, que, hoje, ficam livres das correntes nos 87 canis do CAPA. “Nós iniciamos com 40 animais e hoje estamos com mais de 380. Viemos tentando estruturar mais, mas é um espaço pequeno. A gente está sempre com superlotação, porque temos que pensar em dar uma condição digna ao animal, dar um espaço para ele se exercitar e ficar com pequenos números de animais por canis, para não dar brigas”, conta a presidente da entidade, Zulma Marques.
Embora o CAPA receba R$ 20 mil de ajuda mensal do Poder Público, por meio de um convênio estabelecido em 2004, a média de despesa é de R$ 28 mil por mês. “Nós trabalhamos com várias ações para arrecadar dinheiro. Fazemos brechós, feiras de adoção e recebemos doações vindas da comunidade, mas nunca é suficiente, então acabamos ficando sempre no vermelho”. Entre os principais gastos está a compra de alimentos e de produtos de limpeza, a manutenção do local e, mais ainda, o atendimento veterinário. O CAPA tem três clínicas conveniadas que oferecem descontos nos procedimentos, mas nada é totalmente gratuito. “Todo o animal recolhido pela entidade passa por atendimento veterinário. Depois, eventualmente, há as castrações e os atendimentos para os animais já abrigados. Nós não doamos nenhum animal que não esteja castrado e a maioria das nossas castrações é paga”.


Como ajudar
Atualmente, por precisar de pessoas 24 horas por dia no abrigo, o CAPA paga quatro funcionários – dois que trabalham durante a semana, um nos fins de semana e um às noites. O restante do serviço é realizado por 15 voluntários. Quem quiser ser um deles, pode entrar em contato através da página no Facebook (Adote o CAPA).
Também é possível realizar doações de produtos durante as feiras de adoção ou diretamente no abrigo – e não é somente ração que a entidade precisa. “As pessoas sempre têm em mente que a gente precisa de ração, e é claro que sim, mas os custos do CAPA giram em torno de várias outras coisas, principalmente material de limpeza. Os canis são lavados de três a quatro vezes por dia e a gente utiliza muito material diariamente, principalmente sabão em pó, vassouras e água sanitária”, explica a presidente.
A ajuda financeira pode ser feita por depósito em três contas: na Caixa Econômica Federal, Agência 3063, Operação 003, Conta 739-7; no Banrisul, Agência 0917, Conta 060837950-4; e no Banco do Brasil, Agência 4354.0, Conta 2002-8.


Celebrando os 15 anos
No dia 12 de março, o CAPA comemorará o aniversário de 15 anos na Praça Santa Teresinha, com a “Grande Feira de Adoção”, das 10h às 18h. Além de comemorar, é uma maneira de receber doações, vender produtos da entidade (como camisetas e calendários) e procurar pessoas dispostas a adotar alguns dos animais. E não apenas animais jovens – o Cantinho dos Idosos tentará sensibilizar as pessoas a adotar animais idosos. “Hoje, o índice de mortalidade do CAPA é bem baixo, a gente consegue controlar todas as doenças, então os animais vivem bastante tempo com nós, mas infelizmente muitos acabam morrendo de velhos, sem a chance de ter um lar”, conta Zulma.
A comemoração também contará com diversos atrativos e colaboradores, entre eles a Academia Marta Junqueira, que dará aulas gratuitas de zumba; o AgroPet Pastos Verdes, que enfeitará os cachorrinhos de tutores interessados; e uma cabine fotográfica, que estará disponível para quem quiser tirar foto com seu animal de estimação. Todo o lucro arrecadado será revertido ao CAPA.


Como adotar
Quem quiser adotar um dos animais que estará na Feira, precisa levar os documentos básicos (RG, CPF e comprovante de residência), para que seja feito um Termo de Responsabilidade. O adotante também deverá estar disposto a receber duas visitas de vistoria; uma antes da adoção e outra um tempo depois, para que a entidade possa conferir se o animal está sendo bem cuidado.

Gostou? Compartilhe