OPINIÃO

Fatos 05.07.2017

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Urbanização

Acessibilidade e comunicação: estas são as razões que levam pessoas de todas as idades a deixarem o meio rural. O diagnóstico deve ser comprovado no Censo de 2020 que já está em fase de organização pelo IBGE. Cidades como Marau, Tapejara e outras do mesmo porte já vivem o fenômeno da rápida urbanização. O mesmo acontece com Passo Fundo, considerada a metrópole da Região Norte do Estado. Os indicadores demonstram que até 2020 seremos muito mais urbanos do que rurais. A análise ainda preliminar é do coordenador da agência do IBGE de Passo Fundo, Jorge Bilhar. Os indicadores deste rumo serão demonstrados já pelo censo agropecuário, cuja pesquisa de campo inicia em outubro. Segundo Bilhar, o jovem que sai do meio rural e vem para a cidade estudar, não volta mais. E, hoje, as pessoas de mais idade também estão deixando a zona rural para morar na cidade. O movimento se justifica pelas facilidades de infraestrutura, especialmente na área da saúde. Ao que tudo indica a população brasileira ficará mais velha e cada vez mais urbana. Os municípios estão preparados para atender a demanda?

Comoção

O discurso de retorno de Aécio Neves, PSDB, ao Senado foi patético. Debochou de todo mundo.

Recurso

A diretoria do SIMPASSO (Sindicato dos Servidores Municipais de Passo Fundo), acompanhada da direção do GREFIM (Grêmio dos Funcionários Inativos Municipais), protocolou ontem o Recurso de Apelação com pedido de restabelecimento do pagamento do ticket-alimentação dos servidores inativos. Há quase um ano o benefício deixou de ser pago pelo município de Passo Fundo. O Sindicato vai sustentar que não houve Lei Municipal revogando a concessão do ticket-alimentação, violando o que diz a Constituição sobre o princípio do direito adquirido.

Caminho

Radicalização da democracia e diálogo, termos que ouvi atentamente nos debates que mediei nos últimos dias. Estamos vivendo dias difíceis. Nós, brasileiros que pagamos esta conta, é que sabemos a que preço. Mas, será preciso passar por esta profunda crise, sem abandonar o diálogo e dentro do processo democrático de direito.

 

 

 

Gostou? Compartilhe