OPINIÃO

Água da Fonte

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

ÁGUA DA FONTE está de volta! Três anos e oitos meses depois da última edição, alusiva aos 75 anos da Academia Passo-Fundense de Letras, que circulou em novembro de 2013. Houve quem sentiu falta e quem nem percebeu. É assim mesmo, especialmente com as chamadas iniciativas culturais, como é o caso dessa revista, editada pelo sodalício das letras passo-fundenses, que, querendo ser universal, lida, essencialmente, com a cultura local.

O relevante é que estamos de volta! E não estranhe o vultoso número de páginas dessa nova edição. Foram reunidas, em único tomo, três edições: os volumes 11, 12 e 13, e os respectivos números 13, 14 e 15. Razões para ter demorado tanto a sair essa nova edição de ÁGUA DA FONTE? Foram tantas que não cabe enumerá-las. Se alguém fizer questão de ter uma explicação, que fique com essa: negligência dos editores. Mas, nunca é demais rememorar que, numa época de reinado absoluto das mídias digitais, publicar uma revista impressa em suporte papel, ainda que aparente, não é tarefa que pode ser considerada fácil.

Quem, por ventura, acompanha a trajetória de ÁGUA DA FONTE, desde a edição de estreia, o NÚMERO ZERO, que foi publicada em dezembro de 2003, sabe o quão preciosa essa revista é para o nosso sodalício. O esmerado projeto gráfico, as capas exclusivas que levam a assinatura de consagrados artistas gráficos que guardam algum tipo de vinculo com a nossa cidade, as entrevistas bem trabalhadas das páginas centrais, sempre trazendo a luz depoimentos originais de personalidades, que, de uma forma ou de outra, foram protagonistas de escol da história cultural, econômicas e social de Passo Fundo, são valores que continuam preservados nessa nova edição.

O nosso compromisso continua o mesmo que foi explicitado, ainda que com outras palavras, no Editorial da edição de estreia: indiferença às diferenças! Isso significa dizer o quanto primamos pelo respeito à diversidade, seja ela qual for!  Que a valorização da pessoa humana está acima de qualquer coisa, para os editores de ÁGUA DA FONTE. Tampouco essa revista pode ser acusada de, uma vez sequer, não ter aberto espaço para os escritores alheios aos quadros da agremiação das letras passo-fundenses.  Coisas que, acreditamos, podem ser facilmente percebidas por quem um dia leu ou ainda lerá uma edição de ÁGUA DA FONTE.

Nessa edição de ÁGUA DA FONTE, sem querer tirar o prazer da descoberta do leitor, vamos destacar, entre tantos temas, as memórias do fotógrafo Carlitos e o texto original de Meirelles Duarte, que trazem informações até então desconhecidas sobre o início da devoção à Santinha Maria Elizabeth de Oliveira. Além de textos esclarecedores sobre a I Guerra Mundial e a suposta “participação” brasileira nesse conflito bélico. A formação étnica de Passo Fundo, também não passou despercebida pelos nossos historiadores. E, recomendamos, para o entendimento da história do ensino superior em Passo Fundo, a entrevista com o ex-reitor da UPF, o Prof. Ilmo Santos, que, depois de muitos anos, falou sobre a sua história pessoal e relatou alguns acontecimentos, pouco conhecidos do público geral, relacionados com o período que dirigiu a nossa principal instituição de ensino.  Poemas, ensaios, crônicas, quadrinhos, resenhas e textos diversos completam as 196 páginas da revista. A capa, exclusiva dessa edição, traz a assinatura do consagrado artista plástico Welcy Soutier.

Nosso especial agradecimento a todos os membros da Academia Passo-Fundense de Letras, que não mediram esforços para que ÁGUA DA FONTE voltasse a circular.

Enfim, estamos de volta. Isso é o que importa.  E você é nosso convidado para a sessão especial de lançamento de ÁGUA DA FONTE, que, no marco das comemorações dos 160 anos de Passo Fundo, vai acontecer nessa terça-feira (3 de agosto de 2017), às 19h30min, na sede da Academia Passo-Fundense de Letras, na Av. Brasil Oeste, nº 792 (no complexo do Centro Histórico). Aguardamos a sua honrosa presença!

Gostou? Compartilhe