OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Galanteio e assédio

Nas voltas que o mundo dá, alteramos hábitos, surgem novos conceitos e mudamos comportamentos. O que antes era bonito agora é feio, enquanto aquilo que era errado agora é correto. Nessa metamorfose de conceitos surgem circunstâncias embaraçosas. Uma delas é em relação ao galanteio, uma característica classificada como virtude e relativa à boa educação. Cantado em verso e prosa, até produziu adjetivos como galante e galã. Agora, de uns tempos pra cá, o velho e bom galanteio está perdendo encanto pelo risco de ser classificado como assédio. Mas, sabemos muito bem, que galanteio é uma coisa e assédio é outra bem diferente. O assédio é crime, pois machuca a dignidade. O galanteio é entusiasmo, pois acaricia o ego. O assédio é vulgar, o galanteio é elegante. Então, devemos saber delimitar até onde vai o galanteio e onde inicia o assédio. Temos que dosar os elogios para não transformar um encanto em crime. Enfim, é uma questão de respeito. Elegantemente, claro.

Almoço grátis

O marido da Marcela saiu incólume da votação dos deputados. Mas sabemos muito bem que não existe almoço grátis. Ainda mais na política brasileira onde, ao que parece, a negociata está institucionalizada. Então, agora o marido da Marcela tem que pagar a dívida com os parlamentares. E, inacreditavelmente, quer multiplicar o poder dos políticos em época de crise política. Num momento em que os parlamentares estão desacreditados, o marido da Marcela acena com uma proposta parlamentarista. Sim, os mais vividos lembram que essa ideia já foi rechaçada pela população em dois plebiscitos, em 1963 e 1993. Se agora os congressistas já pintam e bordam, imaginem as negociatas para sustentar um gabinete?

Remendando

Em matéria de país, a coisa tá russa. Há uma crise institucional. Essa instabilidade coloca em xeque valores e instituições. O descontentamento generalizado deixa as pessoas obcecadas por mudanças. Aí entra em cena a bandeja do oportunismo oferecendo reformas. Na prática são paliativos para agradar a plateia temporariamente. Ou um carro reformado é melhor do que um carro novo? Você prefere uma casa nova ou uma casa reformada? Enfim, reformas não são novidades. São remendos de última hora. E assim a crise segue ampla, geral, institucional e remendada.

Estacionamento

Escasseiam locais para estacionar em Passo Fundo. Na área central temos a zona azul que, pela rotatividade, permite que sucessivamente surjam algumas vagas. Entradas de garagens, áreas de carga e descarga e contêineres de lixo diminuem consideravelmente o espaço disponibilizado. Fico perplexo ao ver que alguns veículos permanecem o dia inteiro numa mesma vaga. Será que os motoristas desses veículos pagam pelo tempo que ocupam uma vaga? E o mais importante, não há um tempo limitado de duas horas? Então por que permitem que alguns veículos fiquem durante o dia “guardando” um espaço na Avenida Brasil? E ninguém viu?

Trilha sonora

A pianista e cantora Roberta Flack gravou em 1973, mas nunca nos cansamos de ouvir Killing Me Softly With His Song - https://goo.gl/Gn4xQz

Gostou? Compartilhe