5º Acampamento da Criança com Diabetes reúne mais de 60 crianças

Por
· 1 min de leitura
Oficina de nutrição esteve entre as atividades do AcampamentoOficina de nutrição esteve entre as atividades do Acampamento
Oficina de nutrição esteve entre as atividades do Acampamento
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde que era um projeto piloto, a adolescente Eduarda Garbin, de 14 anos, participa do Acampamento da Criança com Diabetes. Em sua quinta edição, o encontro reúne crianças e adolescentes com diabetes tipo I (DM1) e tem o objetivo de promover a qualidade de vida e o autocuidado orientado, por meio de vivências e experiências lúdicas. Eduarda e outras cerca de 60 crianças chegaram ao Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF), ainda na quinta-feira.
O Acampamento da Criança com Diabetes terminou ontem, à tarde. Durante os quatro dias de evento foram realizadas mais de 20 atividades para os pais, crianças e também para os monitores. A ação é uma realização da UPF, por meio do Programa de Extensão ComSaúde, em parceria com o Lions Clube Internacional, Hospital São Vicente de Paulo e conta com o apoio do Ministério Público do Rio Grande do Sul.
As crianças participantes do acampamento realizaram oficina de nutrição e de programação, enquanto que os pais se reuniram para uma oficina de chás. A abertura oficial acontece à noite, no Centro de Eventos, às 19h 30min. No sábado, as s atividades prosseguiram com trilha interpretativa no Cepagro e atividades radicais. No domingo, dia 29 de outubro, aconteceu a 4° Caminhada de Enfrentamento ao Diabetes.

Além das 60 crianças, participam do 5º Acampamento da Criança com Diabetes 60 pais e mais de 150 monitores e pessoas envolvidas na organização, entre professores, funcionários, acadêmicos bolsistas e voluntários, escoteiros e voluntários do Lions Clube. A coordenação do Acampamento é da professora Mônica Krhal, que ressalta que esta edição começou superando as expectativas. “Essa é a maior edição do acampamento, temos mais crianças participando e estamos com a estrutura mais organizada com o apoio das instituições parceiras. Buscamos realizar uma programação repleta de atividades para que essas crianças aprendam a enfrentar a doença e ter uma vida saudável”, destaca ela.

Para Eduarda, que nesta edição é monitora júnior, a experiência tem sido ainda mais enriquecedora. Enquanto que nas outras edições ela era participante, nesta, em especial, ela tem ajudado as crianças acampadas, inclusive prestando informações sobre como enfrentar a diabetes. “Desde o piloto venho conhecendo pessoas, fazendo amizades e vivendo experiências novas. Nesta edição, encontrei muitas pessoas novas e como monitora consigo ajudar quem tem dúvidas. Tivemos que nos aprofundar sobre a doença, estudando uma caderneta com todas as informações e os problemas causados se não houver o cuidado necessário”, aponta ela.

 

Gostou? Compartilhe