Ano letivo da rede estadual deve encerrar em janeiro

Educandários iniciam processo de suspensão da greve do magistério

Por
· 2 min de leitura
Das 38 escolas estaduais de Passo Fundo, quatro permanecem em suspensão integral de período letivo Crédito: Das 38 escolas estaduais de Passo Fundo, quatro permanecem em suspensão integral de período letivo Crédito:
Das 38 escolas estaduais de Passo Fundo, quatro permanecem em suspensão integral de período letivo Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

De forma gradativa, 34 escolas da rede estadual de ensino ingressaram com o processo de retomada das aulas curriculares, em Passo Fundo, após a adesão à greve do magistério gaúcho contra o pacote de reestruturação da carreira do funcionalismo público, apresentado pelo governador Eduardo Leite ainda em novembro.


Na região de abrangência da 7ª Coordenadoria Regional de Educação (7ª CRE), 120 centros de ensino sinalizaram o indicativo de greve, mas, como explica a coordenadora da 7ª CRE, Carine Weber, desde o dia 23 de dezembro o cronograma letivo já foi reiniciado com a normalização das atividades pedagógicas e administrativas em alguns educandários. "É um direito constitucional do professor fazer greve, mas também cumprimos com uma série de determinações da LDB [Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional] que condiciona a 200 dias letivos e 800h, no mínimo", pontua. Em outras 38 escolas regionais, no entanto, a sugestão de suspensão integral do funcionamento está mantida enquanto que, em oito delas, a retomada da rotina escolar está sendo de forma parcial em apenas um turno.


Aulas até janeiro


Embora o Comando de Greve do Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (CPERS/ Sindicato) tenha acusado o governo estadual de "intimidar a categoria para retornar às aulas e acabar com a greve sem negociação", a orientação segue em conformidade à manutenção da greve geral dos professores, conforme nota emitida pela unidade sindical, em 27 de dezembro.

De acordo com o texto que embasa o comunicado, na segunda-feira (30), servidores da Fazenda e do Planejamento Estadual retornaram as atividades laborais, após o recesso natalino, condicionando uma nova convocatória da categoria às negociações.


O prognóstico da 7ªCRE, contudo, aponta para o encerramento do ano letivo apenas em janeiro, mesmo com a resposta de um permanente estado grevista até que a categoria chegue a um acordo com o governo do estado. O último levantamento realizado pela coordenadoria, aliás, reflete o caminho inverso ao cenário desenhado nas primeiras movimentações dos docentes gaúchos que lecionam nas 38 centros estaduais de ensino em Passo Fundo. Das escolas que aderiram à greve de maneira total, como Protásio Alves, Cecy Leite Costa, Nicolau Araújo Vergueiro (EENAV), Jerônimo Coelho, Anna Luísa Ferrão, Ernesto Tochetto, Gervásio Annes, Daniel Dipp e Lucille Fragoso de Albuquerque, apenas quatro seguem sem turnos de atenção à educação fundamental e média, e sete estão seguindo o calendário escolar de forma parcial. "É uma preocupação da coordenadoria e das escolas que a retomada escolar seja um processo de qualidade", mencionou ainda Carine ao detalhar que os estudantes e professores devem se encontrar também aos sábados para aulas, além dos turnos regulares, de modo a compensar 20 dias de paralisação.


Segundo a coordenadora da 7ªCRE, Carina Weber, a greve do magistério não afeta as matrículas e rematrículas para o ingresso ou permanência na rede estadual de ensino, programadas para iniciar em 2 de janeiro, conforme o calendário da Secretaria Estadual de Educação (Seduc).



Gostou? Compartilhe