Governo municipal libera abertura de setores do comércio

A medida passa a valer a partir de sexta-feira (17)

Por
· 3 min de leitura
Foto: Gerson Lopes/ONFoto: Gerson Lopes/ON
Foto: Gerson Lopes/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Após o anúncio do governo do Estado e a publicação do decreto que permite alterações a alguns municípios, a Prefeitura de Passo Fundo anunciou nesta quinta-feira (16), em entrevista coletiva realizada na Câmara Municipal, que o comércio da cidade poderá funcionar, mas com restrições e regras rígidas a partir desta sexta-feira (17).

O decreto, que será publicado nesta quinta-feira, prevê que a medida poderá ser alterada a qualquer momento. “Com muito cuidado e diálogo, escutando os técnicos e especialistas, vamos fazer essa flexibilização, mas que é rígida quanto às regras. Isso não significa que as pessoas devem sair de casa e ocupar as ruas. A orientação continua sendo o distanciamento social e as pessoas devem ficar em casa e sair apenas por necessidade”, ressaltou o prefeito Luciano Azevedo.

Por orientação do Comitê de Orientação Emergencial (COE), as medidas serão avaliadas periodicamente. Os principais fatores para avaliar a decisão se referem pontos como: a taxa de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19, a disposição de equipamentos de proteção individual (EPIs) para profissionais da saúde e o número de profissionais da saúde na linha de frente, devido ao expressivo número de afastamentos que têm ocorrido; além dos resultados da pesquisa que está sendo feita em Passo Fundo e mais oito cidades – instrumento que ajuda a mostrar a curva epidemiológica e definir as estratégias de enfrentamento.

Novos EPIs e testes para Covid-19 irão chegar ao Município na próxima semana, o que traz mais segurança aos profissionais da saúde. “Neste tempo de isolamento social foi possível preparar os hospitais e receber os testes até a próxima semana em um número adequado para esse início de trabalho. É possível trabalhar com mais segurança, com diagnóstico mais adequado para os trabalhadores da saúde, que podem voltar de forma segura. Foi um tempo precioso para isso, diminuir a transmissão e, agora, testar essa flexibilização do comércio com atenção”, afirmou o professor da Universidade de Passo Fundo (UPF) e médico infectologista do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Gilberto da Luz Barbosa.

Image title


Para a médica infectologista, Cristine Pilati Pileggi Castro, coordenadora médica da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) e professora da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), o tipo de isolamento adotado em Passo Fundo foi o proativo, não reativo, como ocorreu na Itália. “Sabemos que, após a ocorrência de vários casos, o isolamento reativo não é eficaz, pois o vírus já circulou, e que o proativo é o com melhores resultados. A abertura deve ser gradual, lenta. Recomendamos que as pessoas permaneçam em suas casas. Isso é importante para que mantenhamos a curva achatada e essencial para que tudo o que já foi feito continue dando certo”, observou.

O diretor do Hospital de Clínicas (HC), o médico Juarez Dalvesco, valorizou a pactuação social que está sendo liderada pela Prefeitura. Ele enfatizou que ninguém possui todas as respostas necessárias neste momento e é fundamental uma avaliação constante. “A flexibilização dessa pequena abertura terá avaliação periódica e precisa se ter a ideia de que a perspectiva é fechar novamente após o período. Se avança no que é possível e se retrocede para avaliar”, explicou.

Segundo o médico e diretor técnico do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), Adroaldo Mallmann, Passo Fundo é o terceiro polo de saúde do sul do Brasil e tem a responsabilidade de atender a população de toda a região. Ele concordou com a flexibilização do comércio, mas enfatizou a importância do isolamento social, da higienização das mãos e da vacinação contra outras doenças virais: “é uma guerra invisível e esse é um vírus altamente contagioso. Estamos chegando no inverno e temos outras patologias virais”.

O comércio realizado dentro de shoppings e centros comerciais continua fechado. Em relação a igrejas e cultos o Município irá se adaptar ao decreto estadual 55.154, com limitação de horário de funcionamento. Nos próximos dias a Prefeitura se reunirá com representantes dos setores de bares e restaurantes e academias para definir critérios de possível retomada.

Entidades comprometidas

Entidades ligadas ao comércio e sindicatos disseram estar em constante conversa com o governo e "comprometidos em ajudar que essa abertura do comércio tenha todas as regras cumpridas conforme o decreto".

Todos os trabalhadores deverão usar máscaras, assim como os clientes, e manter as regras de higienização. Também haverá capacidade máxima de ocupação do espaço, devendo ser respeitada pelos trabalhadores e consumidores. 

Gostou? Compartilhe