Mapa definitivo confirma bandeira laranja em Passo Fundo

A bandeira está vigente desde sábado

Por
· 2 min de leitura
No estado quatro regiões estão em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)No estado quatro regiões estão em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)
No estado quatro regiões estão em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A região de Passo Fundo está em bandeira laranja desde sábado (19). A classificação da 20ª semana do Distanciamento Controlado foi divulgada na sexta-feira (18) e, como a classificação é mais branda que a anterior, a vigência começou já no dia seguinte. O mapa definitivo do estado foi divulgado nesta segunda-feira (21). 

Passo Fundo não protocolou recurso para alterar a classificação. A região também adotou ao sistema de cogestão, que permite protocolos da bandeira laranja ainda durante a bandeira vermelha.

A Associação dos Municípios do Planalto (AMPLA) decidiu que enquanto a região estiver em bandeira laranja, os protocolos seriam os mesmos definidos pelo estado para a bandeira, de acordo com o Procurador Geral de Passo Fundo, Adolfo Freitas. Ele explica que a região precisa ficar 14 dias na bandeira laranja para que haja a possibilidade de adotar protocolos de bandeira amarela. Essas medidas ainda teriam que ser aprovadas por no mínimo dois terços dos prefeitos da Região, avalizadas por equipe técnica e encaminhadas para o Gabinete de Crise para o Enfrentamento da Epidemia de COVID-19. Assim, por enquanto, a região de Passo Fundo segue aplicando os protocolos definidos para a bandeira laranja.

Justificativas

Conforme o levantamento divulgado na sexta-feira (18), Passo Fundo permanece em bandeira preta em apenas um indicador específico da região. O indicador marcado com risco máximo é o número de hospitalizações confirmadas para COVID-19 registradas nos últimos 7 dias por 100.000 habitantes. A região está em bandeira vermelha no indicador projeção de número de Óbitos para o período de 1 semana para cada 100 mil habitantes.

A bandeira amarela aparece em dois indicadores. Um deles é a razão de casos ativos na última semana por recuperados nos 50 dias anteriores ao início da semana. O segundo é o número de hospitalizações confirmadas para COVID-19 registradas nos últimos 7 dias por número de hospitalizações confirmadas para COVID-19 registradas nos 7 dias anteriores. Os demais indicadores são relativos ao estado e macrorregião.

Mesmo com a bandeira laranja, a região se destacou como uma das regiões com maior número de novos registros de hospitalizações nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, com 87 registros, atrás apenas de Porto Alegre (304) e Caxias do Sul (102).

Estado

O mapa definitivo do modelo de Distanciamento Controlado chega à 20ª rodada com quatro regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto), depois da análise dos oito recursos enviados por associações de municípios e regiões. As outras 17 regiões estão classificadas em bandeira laranja (risco epidemiológico médio).

O Gabinete de Crise aceitou o pedido de reconsideração da região Covid de Guaíba. As regiões de Novo Hamburgo, Santo Ângelo e Cruz Alta foram preliminarmente classificadas em vermelho e tiveram seus recursos negados pelo Gabinete de Crise. As três somam-se à região de Porto Alegre, que não enviou pedido.

Todas as quatro regiões em vermelho já adotam protocolos próprios. Das 21 regiões Covid, 17 aplicam protocolos próprios por meio do sistema de cogestão: Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul, Lajeado e Erechim. A região de Santa Maria enviou, no sábado (19/9), pedido que segue em análise. As regiões classificadas em laranja podem adotar protocolos flexíveis, desde que não menos restritivos do que os de bandeira amarela.

Notícia atualizada às 17h16

Dois indicadores específicos da região estão em bandeira amarela e não laranja, conforme informado anteriormente.

Gostou? Compartilhe