ESTIAGEM: Barragem da Fazenda atinge nível mais baixo desde o começo da estiagem

Segundo a Corsan, as baixas temperaturas e o consumo consciente estão adiando o plano de racionamento em Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura
Luciano Breitkreitz/ON Luciano Breitkreitz/ON
Luciano Breitkreitz/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

A Barragem da Fazenda, responsável pelo abastecimento de aproximadamente 45% da população de Passo Fundo, atingiu ontem (18) o nível mais baixo desde o começo da estiagem, em junho de 2019.

Há praticamente 24 meses, Passo Fundo está recebendo chuvas abaixo da média histórica, o que está trazendo uma preocupação para a superintendência da Corsan. Durante este período foram adotadas medidas como transposição do rio Jacuí para a barragem da Fazenda, que acontece de forma ininterrupta desde novembro passado, e a transposição da reserva da Pedreira para a barragem do Miranda, além de campanhas para o uso consciente da água. No final do último mês o superintendente regional da estatal, Aldomir Santi, destacou que já havia um plano de racionamento elaborado para Passo Fundo. Esta medida poderia entrar em vigor até o final de maio, caso o nível da barragem da Fazenda permanecesse caindo de forma rápida (aproximadamente 5 centímetros por dia). Nesta terça-feira (18) a barragem atingiu o seu nível mais baixo desde o começo da estiagem, 4,28m abaixo do normal. Mesmo com este índice preocupante, Santi descartou, neste momento, o início do racionamento em Passo Fundo. Segundo ele o forte frio dos últimos dias, e o consumo consciente fizeram com a redução ocorresse de forma mais lenta (aproximadamente 2 centímetros por dia), e com isso, ainda há a garantia de água para a população para os próximos dias.

 

Consumo consciente

Entretanto, Santi destacou que a situação é extremamente preocupante e reiterou o apelo para que a população consuma água com consciência, principalmente porque a previsão é que o nível de chuva permaneça abaixo da média histórica. “Este deveria ser o período mais chuvoso, porém, a quantidade de chuva está muito abaixo da média histórica, e o que nos preocupa é o que virá pela frente, por isso é preciso que a população mantenha o consumo de água de forma consciente”, disse ele.

A média histórica do mês de abril é superior a 90 milímetros, mas neste ano choveu apenas 10.1. Já em maio a expectativa era um índice de chuva de 114 milímetros, porém, até ontem (18), o índice era de apenas de 47. 

Gostou? Compartilhe