Aeroporto de Passo Fundo permanece fechado até 30 de setembro

As obras para melhorias na pista já foram concluídas

Por
· 3 min de leitura
Embarques em Passo Fundo continuam suspensos (Foto: LC Schneider/ON)Embarques em Passo Fundo continuam suspensos (Foto: LC Schneider/ON)
Embarques em Passo Fundo continuam suspensos (Foto: LC Schneider/ON)
Você prefere ouvir essa matéria?

As obras para melhorias na pista do Aeroporto Lauro Kortz já foram concluídas. Porém, a sua liberação esbarra no trâmite de documentos e, ainda, na necessidade de uma inspeção em voo. Assim, o Departamento Aeroportuário do Rio Grande do Sul (DAP/RS) teve que solicitar mais uma prorrogação no fechamento da pista. Sexta-feira, 27, pela manhã, foi publicado o NOTAM, aviso aos aeronavegantes, determinando a ampliação do fechamento do Aeroporto de Passo Fundo até 30 de setembro. A notificação regulamenta as operações nos aeródromos brasileiros, informando através do AISWEB, que reúne os serviços do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), com objetivo a divulgação de Informações Aeronáuticas. De acordo com o aviso, a pista deve ser aberta em 1º de outubro, permitindo o retorno de aeronaves da aviação geral (executiva, táxi-aéreo e particulares).

Nova prorrogação

O NOTAM E2082-R prorrogou os quatro anteriores que, desde abril, sucessivamente mantiveram o fechamento da pista. Para permitir a execução das obras, o aeroporto foi fechado para operações em 11 de janeiro e tinha previsão inicial de reabertura para 12 de maio. As obras de melhorias na pista já foram concluídas, mas ainda faltam detalhes imprescindíveis para o reinício das operações. O cronograma das obras estava de acordo com o previsto. Porém, devido às consequências da pandemia na Itália, ocorreu um atraso no recebimento de dois conjuntos de um equipamento e prejudicou a projeção inicial. São os PAPIs (Precision Approach Path Indicator) que já foram instalados ao lado das cabeceiras. Utilizando luzes brancas e vermelhas, o sistema permite que os pilotos tenham a visualização de uma rampa ideal de descida.

Trâmite para homologação

Para liberação do aeroporto para pousos e decolagens, é necessária a homologação da pista que sofreu alterações, inclusive com a troca de indicativos (numeração) das cabeceiras. De acordo com informações, fornecidas há cerca de um mês pelo diretor do DAP, engenheiro Leandro Taborda, a parte documental já estava bem encaminhada. Agora é uma questão de trâmites técnicos necessários para homologar as modificações realizadas na pista do Aeroporto de Passo Fundo. Isso passa pelo aval do Cindacta II de Curitiba e, em seguida, pelo GEIV, Grupo Especial de Inspeção de Voo, que fará a aferição de equipamentos e ajustes nas cartas aeronáuticas. Essa avaliação é realizada com testes em voo, sendo necessária a utilização de uma aeronave-laboratório. Através das medições obtidas, serão fornecidas as informações exigidas para a homologação e liberação da pista.

As empresas aéreas

Conforme antecipamos com exclusividade na semana passada, a Azul Linhas Aéreas cancelou a malha que estava programada para outubro. A empresa retorna ao Aeroporto Lauro Kortz em 08 de novembro. Serão dois voos diários, um pela manhã e outro à tarde, na ligação com Viracopos, em Campinas-SP. O trecho já está à venda a partir de R$ 272,69. A empresa volta a Passo Fundo com o Embraer-195, para 118 passageiros, mas, com a ampliação do PCN, também poderá operar com o novo E-2 para 136 passageiros. Já a Gol Linhas Aéreas retorna com um voo diário entre Passo Fundo e Guarulhos, na Grande São Paulo. A empresa continuará operando com o Boeing 737-700 que oferece 138 poltronas. O trecho é comercializado a partir de R$ 250,79 com voos a partir de outubro, mas a tendência é que o início da malha também seja transferido para novembro. 

Pista recebeu melhorias, mas não foi ampliada

Quando foi elaborado, o projeto das melhorias no Aeroporto Lauro Kortz não contemplou a ampliação da pista, que permanece com 1.700 metros de comprimento e 30 de largura. Como no local o vento predominante é de través, havia a expectativa de alargamento para 45 metros. Em relação às condições operacionais, as principais alterações foram o aumento do PCN, a retirada de um barranco e o grooving.

PCN – O reforço na base aumentou o PCN para 42. Esse é o indicador da capacidade operacional (peso-impacto) suportada pela pista. A partir de agora, além do Boeing 737-700 da Gol, que já operava em Passo Fundo, poderá receber aviões até o porte de um Airbus-319 ou do novo Embraer E-2 da Azul. Todavia, o índice 42 ainda não permitirá operações de aviões de grande porte como o 737-800 ou cargueiros.

Barranco – A retirada do barranco, que estava ao lado do terminal de passageiros, aumenta a segurança operacional. De acordo com o Comandante Naerton Rorato, ao passar pelo barranco o vento Norte sofria alterações e gerava uma espécie de tesoura de vento para baixo ao atingir a pista. “Ocorre uma alteração na direção do vento. O vento sem obstáculos é constante, mas quando há obstáculos fica variável, inconstante”, avaliou o experiente piloto.

Grooving – O grooving são as ranhuras transversais que, como pequenas canaletas, facilitam a drenagem da água sobre a pista. “Permite uma melhor frenagem, pois ao invés do contato do pneu com a água terá o contato do pneu com o piso”, explicou Rorato.

Gostou? Compartilhe