Aplicativo e game incentivam a doação de sangue

Produtos digitais foram lançados no Dia Nacional do Doador de Sangue, 25 de novembro, e já estão disponíveis para a comunidade acessar

Por
· 2 min de leitura
Livro ?EURoeO superpoder real?EUR? inspirou criação de um gameLivro ?EURoeO superpoder real?EUR? inspirou criação de um game
Livro ?EURoeO superpoder real?EUR? inspirou criação de um game
Você prefere ouvir essa matéria?

A Universidade de Passo Fundo (UPF), em parceria com o Serviço de Hemoterapia do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), lançou um aplicativo e um game para incentivar as pessoas a doarem sangue. 

Um dos produtos digitais é o aplicativo Chatbot, do Serviço de Hemoterapia. O projeto foi desenvolvido pelo acadêmico do curso de Ciência da Computação da UPF Mateus Klein Roman, como trabalho final de graduação. O aplicativo simula uma conversa humana e responde ao usuário as perguntas programadas mais frequentes em relação à doação de sangue. “São cerca de trinta perguntas elaboradas em conjunto com o Serviço de Hemoterapia do hospital. São perguntas como quem pode doar sangue, como doar, quais são as etapas, local e contatos do Serviço de Hemoterapia, por exemplo. Funciona pelo celular, via sistema Android e IOS”, explicou o acadêmico, que, como bolsista do Grupo de pesquisa SIN (Sistemas Interativos e de Informação) da UPF, já desenvolveu outros projetos na área da saúde envolvendo temas como pressão arterial e diabetes.

O aplicativo tem como objetivo facilitar o acesso à informação e incentivar à doação de sangue. “O projeto iniciou a partir de uma parceria entre o hospital e a UPF e tem caráter interdisciplinar envolvendo profissionais da saúde e da computação para gerar um mecanismo de comunicação que facilite a compreensão de potenciais doadores de sangue sobre como doar, requisitos, entre outras informações”, salientou a professora do curso de Ciência da Computação da UPF, Ana Carolina Bertoletti de Marchi, orientadora do acadêmico Mateus.

Como acessar o aplicativo
Android e IOS: Com o Google Assistente baixado e configurado no celular, o usuário deve falar: “Ok Google” “Falar com Hemoterapia HSVP”. Depois desses dois comandos de voz, aparecerá o Chatbot e o usuário poderá interagir com o aplicativo.

Livro virou game
O outro produto lançado no evento é um game, desenvolvido a partir do livro “O superpoder real”, criado pelos alunos da Medicina da UPF do programa de extensão ComSaúde. O game foi idealizado pelo secretário de Educação de Passo Fundo, Edemilson Brandão; pelo Serviço de Hemoterapia e pela Academia Passo-Fundense de Letras.

O game é destinado às crianças do Centro Oncológico Infantojuvenil do HSVP e aos estudantes das escolas municipais da educação infantil e ensino fundamental. “Esse projeto é a complementação de um trabalho que estamos fazendo com as escolas municipais para que as crianças incentivem seus pais e familiares a doarem sangue. É um joguinho no qual eles podem brincar e aprender sobre a doação. Animamos e damos vida aos personagens do livro e criamos estratégias didáticas. As crianças também poderão fazer pesquisa com os familiares. É um material criado no programa PowerPoint, que deverá ser disseminado nas escolas”, explicou o secretário de Educação.

O game abrange várias didáticas, desde caça-palavras até completar frases sobre o tema. O livro “O superpoder real”, que inspirou o game, contou com a participação da acadêmica de Medicina Débora Cristina Schuh, responsável pela criação do texto, e do também estudante de Medicina Ighor Prodlik Laimer, que fez as ilustrações da obra. “Fiz a história com o propósito de entrar com essa temática nas escolas. Não é fácil explicar para as crianças pequenas a importância da doação de sangue. Um dos personagens é o super Hemozito, que explica o ciclo da doação e enfatiza que o procedimento é seguro tanto para quem faz quanto para quem recebe a doação de sangue”, comentou a acadêmica Débora.


Gostou? Compartilhe