Queda do PIB reflete os piores meses da arrecadação de ICMS do Estado

No período em que PIB caiu 17,1% em relação a 2019, o principal tributo do RS teve perda real de 16%

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A queda de 17,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019 reflete o recuo da atividade econômica no Rio Grande do Sul provocada pela estiagem e pelos efeitos da pandemia. Em março, o governo do Estado alertou sobre a severa queda de receitas que o Estado enfrentaria durante a crise sanitária, atuando em parceria com deputados estaduais e federais e governo federal para que houvesse uma compensação das perdas de receitas sob pena de não haver recursos para o pagamento de todas as despesas.

Graças a esse movimento, o Rio Grande do Sul recebeu uma receita extraordinária de R$ 1,9 bilhão, já destinada na sua integralidade para o pagamento da folha, fornecedores e manutenção de serviços na segurança pública e estradas, por exemplo. O principal tributo do Estado, o ICMS, no mesmo período de avaliação do PIB divulgado na sexta-feira (18/9) pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), teve queda histórica.

Conforme publicado nos Boletins da Receita Estadual, a arrecadação do ICMS do período maio a julho (atividade econômica de abril a junho, base do PIB anunciado na sexta) foi de R$ 7,29 bilhões, correspondente a queda real de 16,01% sobre o mesmo período de 2019 (R$ 8,68 bilhões corrigidos pela inflação). A queda de 17,1% do PIB é comparável à queda real de 16,01% do ICMS.

“Foi um período dramático para a economia de todo o país, que se reflete no desempenho do PIB gaúcho e no desempenho do ICMS, cuja arrecadação foi amplamente divulgada pelos boletins da Receita Estadual durante a pandemia”, afirma o secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso. Segundo ele, a perda na arrecadação, que gradativamente começa a ser revertida no mês de agosto, é mais um indicativo de que o Estado não pode abrir mão de mais receitas, mantendo o rígido controle de despesas, buscando medidas de modernização da receita e implementando reformas estruturais para que as recursos próprias do Estado sejam capazes de cobrir as obrigações todos os meses.

Ainda de acordo com o secretário, a crise só não foi pior no setor público estadual porque as ações de controle de despesas e a reforma previdenciária de 2019 já permitem observar resultado, com as despesas nominais no primeiro semestre de 2020 caindo quase R$ 500 milhões.

Nos priores meses da pandemia, de acordo com a Receita Estadual, o ICMS teve quedas reais de 14,8% em abril, 28,6% em maio, 13,9% em junho e 5,3% em julho, voltando a ter crescimento, de 1,7%, em agosto. No acumulado de janeiro a agosto, há redução real de 6,2%.


Fonte: Governo do Estado

Gostou? Compartilhe