Estado e BNDES firmam parceria técnica para implementar projetos de desestatização

O acordo prevê que, definida alguma oportunidade de desestatização, será celebrado um contrato específico de apoio técnico do BNDES, com o objetivo de definir a modelagem do processo

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O governo do Estado e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram neste sábado (25/5), em Gramado, acordo de cooperação técnica para a implementação de projetos de desestatização no Rio Grande do Sul, como privatizações e concessões.

“O processo recém foi concluído e eu não poderia deixar de aproveitar a presença do presidente do banco, Joaquim Levy, na reunião do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste), para oficializarmos essa parceria que será tão importante para conseguirmos realizar projetos fundamentais para a retomada do desenvolvimento do RS”, destacou o governador Eduardo Leite.

O acordo prevê que, definida alguma oportunidade de desestatização, será celebrado um contrato específico de apoio técnico do BNDES, com o objetivo de definir a modelagem do processo. Entre as potenciais oportunidades de desestatizações já anunciadas pelo governo e que deverão estar no escopo dessa cooperação estão as privatizações da CEEE, CRM e Sulgás, parcerias público-privadas na área de saneamento e a eventual abertura de capital da Corsan, além de novas concessões de rodovias, portos e hidrovias.

Levy participou do Cosud juntamente com o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, à frente do painel “Cenário nacional e reformas”. Durante sua apresentação, o presidente do BNDES destacou que o RS deu um importante passo ao conseguir aprovar, na Assembleia Legislativa, a PEC que retira a necessidade de plebiscito para privatizar as três estatais.

“O governo gaúcho está claramente interessado em implementar parcerias que permitem a valorização de ativos. E essa também é uma oportunidade para geração de poupança envolvendo a população na atividade econômica”, pontuou Levy.

Conforme o secretário da Fazenda do RS, Marco Aurelio Cardoso, essa parceria com o BNDES é importante para o RS porque os projetos de desestatização demandam estruturação complexa, elaboração de estudos técnicos diversos, além da necessidade de conjugar a atratividade do projeto para o setor privado com a prestação de serviços essenciais com qualidade.

 

Gostou? Compartilhe