“Se confirmarmos redução de contágio, podemos avaliar a retomada da cogestão”, afirma Leite

O assunto ainda será debatido em reuniões nos próximos dias

Por
· 2 min de leitura
Governador afirma que o contágio e hospitalizações estão reduzindo (Foto: Reprodução)Governador afirma que o contágio e hospitalizações estão reduzindo (Foto: Reprodução)
Governador afirma que o contágio e hospitalizações estão reduzindo (Foto: Reprodução)
Você prefere ouvir essa matéria?

O retorno da cogestão no Rio Grande do Sul foi previsto para a próxima semana, a partir do dia 22 pelo governo estadual. Assim, as regiões podem ter a opção de flexibilizar os protocolos. No entanto, o governo ainda não bateu o martelo sobre o assunto.

Após o estado bater o recorde de registros de óbitos na terça-feira (16/3), com 502 mortes, o Palácio Piratini publicou, nesta quarta-feira (17/3), um vídeo no qual o governador Eduardo Leite esclarece algumas dúvidas sobre os próximos passos que serão tomados com relação ao enfrentamento da pandemia no Rio Grande do Sul.

“É um indicador que nos choca e nos sensibiliza. Assistir ao registro de 500 mortes certamente toca qualquer ser humano que preza pela vida, mas existem outros tantos indicadores que precisam ser analisados, e o indicador que demonstra pressão na capacidade hospitalar começa a ceder fortemente”, ponderou o governador.

Depois de ter atingido um aumento de, em média, 350 leitos a mais por dia em fevereiro, o número retrocedeu para cerca de 16 leitos a mais por dia. Além disso, a taxa de transmissão verificada em meados de fevereiro estava em torno de 2,35 e, agora, gira em torno de 1,4. O estado avalia que a queda nesses indicadores é um reflexo das duas semanas e meia de restrições mais severas adotadas pelo Estado para frear o contágio e a disseminação do vírus, que incluiu a suspensão da cogestão regional e de atividades entre 20h e 5h.

“Parte das pessoas que ainda estão internadas infelizmente não resistirá, então, veremos um crescimento no número de óbitos nas próximas semanas, mas os dados da demanda de internações já demonstram a redução da circulação do vírus”, explicou Leite.

O governo do Estado ainda estuda o retorno da cogestão regional a partir do dia 22 de março, o que deve ocorrer caso os indicadores se confirmem ao longo desta semana. Para isso é necessária a redução efetiva do contágio e da demanda hospitalar.

“Se confirmarmos esse movimento, poderemos avaliar a retomada da cogestão, mantendo medidas extraordinárias de restrição, como a suspensão geral de atividades entre 20h e 5h aos finais de semana e intensa fiscalização contra aglomerações”, destacou Leite.

O governador já adiantou que a previsão é de que o Estado fique em bandeira preta, que representa risco altíssimo no modelo de Distanciamento Controlado, pelas próximas semanas. “A bandeira preta serve para alertar a população a respeito desse risco altíssimo que ainda vemos na nossa capacidade hospitalar. Ou seja, quem se contaminar neste momento ainda vai encontrar um sistema hospitalar bastante comprometido”, ressaltou.

Por isso, entende o governador, o Estado mantém o alerta de risco altíssimo. Caso a redução do contágio se confirme, o governo dá a oportunidade aos municípios, desde que se reúnam regionalmente, de fazerem eventuais adaptações aos protocolos de bandeira preta, até o limite da bandeira vermelha.

“A bandeira anterior – neste caso, a bandeira vermelha – é um limite de onde não podem passar no relaxamento de restrições, mas a cogestão não significa que estão obrigados a automaticamente adotar protocolos de bandeira vermelha. Os municípios podem adotar regras mais rígidas, e podem continuar com bandeira preta, se assim desejarem”, explicou Leite.

O retorno da cogestão regional ainda será debatido em reunião do Gabinete de Crise, prevista para quinta-feira (18/3), e em reunião com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e com representantes de associações regionais, que deve ocorrer na tarde de sexta-feira (19/3).

Gostou? Compartilhe