OPINIÃO

Conjuntura Internacional

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Segundo dados da Organização Mundial do Comércio (OMC), cerca de 17% da humanidade depende exclusivamente do comércio internacional para se alimentar e evitar a fome. Para o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), a insegurança alimentar seria a “ausência de um acesso permanente aos alimentos necessários para uma vida ativa e saudável”. A geopolítica do alimento ou a Segurança Alimentar Global é um tema efervescente, no mínimo, desde a Primeira Guerra Mundial, onde restava clara a possível dominação de um país, devido a sua carência alimentar. A decorrente tentativa de se criar uma governança global alimentar surgiu no pós-Segunda Guerra, com a criação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Desde então, a insegurança alimentar passou a ser, cada vez mais, um relevante indicador geopolítico no tabuleiro das relações internacionais. Nesse contexto, é que surgiu o Índice Global de Segurança Alimentar (GFSI), organizado pela Unidade de Inteligência da prestigiada Revista The Economist, cuja última edição é de dezembro de 2019. O índice mensura três dimensões, em 113 países: 1) da acessibilidade, que congrega questões como o poder de compra, a vulnerabilidade ao choque de preços e os programas de reação quando os choques ocorrem; 2) da disponibilidade, que analisa a capacidade nacional de suprir, o risco de desabastecimento e o investimento em pesquisa; 3) da qualidade e segurança, que reúne a variedade nutricional e a segurança do alimento.

Brasil 

Dos 113 países analisados, o Brasil pontua em 39º. Os países com menor risco de insegurança alimentar, no último relatório são: Singapura em 1º, Irlanda em 2º e EUA em 3º. Entre os vizinhos sul-americanos, o Brasil está atrás da Argentina, Uruguai e Chile. Entre os principais desafios brasileiros apontados pelo índice, tomam destaque o PIB per capita relativamente baixo, a carência de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e a infraestrutura. Mesmo assim, o Brasil está longe da insegurança alimentar.

Passo Fundo e a geopolítica do Agro 

No período de janeiro a agosto de 2020, a soja representou 90% das exportações do município. O principal destino é a China, que possui 87% de participação. Nas importações de Passo Fundo, a Argentina tem 63% de participação e a China 15%, no mesmo período. Lideram nas importações a cevada, com 44% e o trigo, com 18%. No GSFI, a China pontua em 35º/113 e a Argentina, 37º/113, ambos relativamente perto da pontuação brasileira. Chama a atenção, no relatório do índice, dois apontamentos em relação ao mercado argentino: o risco da instabilidade política e a volatilidade da produção agrícola. A alta concentração no mercado chinês e a relativa dependência da Argentina são pontos relevantes na geopolítica do município. Quanto a China, em que pese a diversificação de mercados ser uma boa estratégia, o país não representa insegurança alimentar aumentada, no índice. Em relação a Argentina, o debate deveria ser mais intenso. A instabilidade política pesa no ranking, como um fator de incerteza.

Gostou? Compartilhe