OPINIÃO

Briga jurídica

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

PSDB e PSL travam uma disputa jurídica desde que Rodinei Candeia reassumiu o comando da executiva local do PSL, há pouco mais de uma semana. O PSL busca na Justiça retirar a referência do candidato a prefeito Lucas Cidade, PSDB, da propaganda dos candidatos a vereador nas inserções da televisão e acusa os tucanos de estarem usando para a majoritária o tempo destinado à proporcional.  Foram duas tentativas negadas pela Justiça Eleitoral em primeira instância. A Justiça indeferiu as petições porque os autoresnão tem legitimidade para propor as ações. Lembrando que a executiva anterior do PSL aprovou em convenção municipal a aliança com o PSDB. Candeia recorre da decisão no Tribunal Regional Eleitoral, numa corrida contra o tempo. Nesta semana, foi o PSDB que acionou o procurador por um vídeo postado por ele nas redes sociais, com ofensas direcionadas a Lucas. A liminar foi concedida e determinada a retirada em 48 horas. Na decisão, a juíza Lisiane Sasso reitera que a manifestação é livre, mas não pode ultrapassar os limites da liberdade de expressão, com ofensas.  


Virada na propaganda

Com uma campanha curta, pouco envolvimento presencial, com várias restrições para manter distanciamento, os candidatos a prefeito de Passo Fundo capricham no conteúdo da TV e do rádio. Esta semana teve clara virada de estratégias em quatro candidaturas. Pedro Almeida, PSB, já ocupa maior parte do tempo das propagandas e uma sequência de apoiadores começam a aparecer. Lucas Cidade, PSDB, veio com uma lista grande de políticos como deputados estaduais, federais e o governador Eduardo Leite. Márcio Patussi, PDT, trouxe o depoimento do ex-prefeito Airton Dipp e terá também o senador Luiz Carlos Heinze, PP. Juliano Roso, PcdoB focou em dois temas: educação e saúde. E, na medida em que a eleição vai se aproximando, novas estratégias são colocadas em prática. Muitas costumam ser decisivas na derradeira. 


Doações de campanha

Pedro Almeida (PSB) R$ 500 mil do partido.

Juliano Roso (PcdoB) R$ 281,6 mil , sendo R$ 268, 4 mil do partido e R$ 13 mil de doações.

Lucas Cidade (PSDB) R$ 116, 4 mil, sendo R$ 100 mil do partido e R$ 16,4 de doações.

Márcio Patussi (PDT) R$ 49,5 mil, sendo R$ 30 mil recursos pessoais e R$ 19,5 em doações. 

Claudio Dóro (PSC) R$ 11 mil, sendo R$ 10 mil em doações e R$ 1 mil recursos pessoais.

Arthur Bispo (PSTU) R$ 2,7 mil, sendo r$ 1,8 mil do partido, R$ 300 em recurso pessoal e R$600 de doações. 

Celso Dalberto (PSOL) R$ 2,1 mil do partido. 


Curtas

O ex-vereador Mário Tassi passou o bastão para o filho Tassi. Teve a candidatura impugnada pela Justiça por estar inelegível.  

Dois candidatos a prefeito: Pedro Almeida, PSB, e Juliano Roso, PcdoB, ainda aguardam confirmação dos registros.

Dos 338 candidatos a vereador em Passo Fundo, dois renunciaram e cinco foram indeferidos. A maioria já teve resposta positiva, mas ainda tem um grupo que aguarda julgamento.


Pesadelo

O despropósito de Bolsonaro em dizer que não comprará a vacina Coronavac, por sua origem chinesa, mesmo com aprovação da Anvisa, ultrapassa todos os limites do cargo que ocupa. Se as instituições do país, realmente funcionam, ficará na conta como mais uma de suas bravatas. Quem venham as vacinas, sejam elas de onde forem. O que interessa é salvar vidas! 


VOTE

Pela primeira vez, em cem anos de história, uma das mais tradicionais revistas do mundo, a americana Time, substituiu o logotipo pelo VOTE. Objetivo é estimular o eleitor a votar nas eleições presidenciais americanas. Neste ano, a eleição no Brasil é municipal, mas tão importante quanto a de presidente. É pelas escolhas locais que estabelecemos a correlação de forças para o futuro próximo. Não transfira para outro a responsabilidade que você tem na escolha de prefeitos e vereadores. Depois não reclame!


Gostou? Compartilhe