Falso integrante da ONG Amor é preso por estelionato

Ele usava uma caixa de madeira com adesivos da ONG para pedir dinheiro, mas não integrava grupo

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Um homem foi preso na manhã de sexta-feira (11) por estelionato enquanto se passava por um integrante da ONG Amor, de Passo Fundo, para pedir dinheiro. Ele foi preso pela Bike Patrulha, da Brigada Militar, na rua Moron, bairro General Netto, e encaminhado à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). No momento da prisão ele estava com uma caixa de madeira com adesivos da ONG, onde guardava o dinheiro.

 

Integrante e idealizador da ONG, Milton Serpa Menezes disse que acionou a Brigada Militar após receber informações que um rapaz pedia dinheiro em nome da entidade. Ele disse que nunca encontrara o indivíduo, até que soube da prisão, sexta-feira (11).

 

“A ONG não faz trabalhos isolados, com uma única pessoa. Ou fazemos pedágios com um grupo de voluntários identificados com a camiseta da ONG, ou pontos de coletas também com as pessoas identificados com a camisa da ONG, ou alunos do tiradentes, militares e etc. Como a ONG Amor possui uma boa reputação na comunidade, tem pessoas mal intencionadas que usam o nome da ONG para se beneficiarem”,  pontuou Menezes.

 

A instituição, que existe na cidade desde 2011, atua com políticas de assistência social e realiza serviços de convivência e fortalecimento de vínculos, mantidos com recursos, muitos vindo de doações. “Temos varias oficinas dentre elas: artes, esporte, música, dança, futsal, oficinas pedagógicas, bem como atendimento de psicóloga, assistente social e pedagoga. Atendemos atualmente 160 crianças e adolescentes entre 2 e 17 anos, em contra turno escolar”, esclarece Menezes.

 

Doações para ONG podem ser feitas através do site www.amor.org.br, que disponibiliza plataformas para doações, diretamente na instituição ou via contato pelo número (54) 99982-7310, de Menezes. “E sempre que tiver qualquer desconfiança ou dúvida basta ligar para qualquer telefone da ONG.”

Gostou? Compartilhe