Dimas Covas afirma que não houve investimento na CoronaVac pelo governo federal

Diretor do Instituto Butantan ainda disse que Bolsonaro vetou compra da CoronaVac

Por
· 1 min de leitura
Covas depõe na CPI da Pandemia no Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)Covas depõe na CPI da Pandemia no Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Covas depõe na CPI da Pandemia no Senado (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Você prefere ouvir essa matéria?

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, depõe hoje (27) na CPI da Covid-19. O instituto foi o primeiro centro a fornecer vacina contra a Covid-19 no país, a CoronaVac. O diretor relata as negociações com o Ministério da Saúde .

Dimas Covas disse que acordo do Butantan com o Ministério da Saúde, em outubro, incorporaria na ocasião 46 milhões de doses de vacinas ao Plano Nacional de Imunização. A interferência do presidente Jair Bolsonaro teria vetado o acordo. Sobre as negociações, ele apontou que houve um descompasso no entendimento da situação, dúvidas sobre a vacina e sua importância para o combate à pandemia.

De acordo com Dimas Covas, manifestações "pesadas" contra a CoronaVac nas redes sociais dificultaram a velocidade do estudo clínico. Segundo ele, também houve desinformação sobre a eficácia das vacinas, que não pode ser comparada. A imagem do Instituto teria sido prejudicada por campanhas negativas feitas em mídias sociais, incluindo vídeos divulgados pelo presidente Bolsonaro, segundo Dimas Covas.

Dimas Covas disse que a politização da vacina, pelo governo federal, atrasou a imunização de milhões de brasileiros e é uma das causas para que o Brasil seja o segundo país com mais mortes pela covid-19.

Ao responder a Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), Covas disse que o governo federal iniciou pagamento das doses da CoronaVac em fevereiro deste ano. Ele reiterou que o Butantan não recebeu verba federal para investimento na vacina. Para o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), o governo é contraditório ao investir R$ 2 bilhões na vacina da AstraZeneca, antes de a Anvisa liberar o uso, e nada na CoronaVac. Ele disse que o boicote à CoronaVac se dá por razões ideológicas.

Insumos

Ao relator, Dimas Covas disse que declarações de autoridades brasileiras repercutem no mundo e resultam em dificuldades burocráticas para obter insumos. “Nós, que estamos na ponta, sentimos essa dificuldade, é impossível negar”.

O atraso na entrega de insumos seria devido ao governo chinês. Covas diz que manifestações não favoráveis ao país estão causando o problema.

ButanVac

Dimas Covas disse que a vacina ButanVac foi apresentada ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, mas ainda não há tratativas com a pasta. A expectativa do Butantan é entregar até 40 milhões de doses no último trimestre de 2021.

Pandemia

Em resposta a Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Covas disse que há indícios de que o Brasil terá de novo um agravamento do vírus, agora turbinado por variantes em circulação. "Essa pandemia ainda vai persistir em 2021, quiçá em 2022."

Com informações da Agência Senado

Gostou? Compartilhe