MEDICINA & SAÚDE - Dia Nacional de Atenção à Disfagia

Um alerta para a necessidade de diagnóstico e tratamento precoces

Por
· 1 min de leitura
Fonoaudiólogo: papel essencial na reabilitação de pacientes diagnosticados com disfagia (Foto: Scheila Zang/HSVP)Fonoaudiólogo: papel essencial na reabilitação de pacientes diagnosticados com disfagia (Foto: Scheila Zang/HSVP)
Fonoaudiólogo: papel essencial na reabilitação de pacientes diagnosticados com disfagia (Foto: Scheila Zang/HSVP)
Você prefere ouvir essa matéria?

No dia 20 de março é lembrado o Dia Nacional de Atenção à Disfagia, condição que se caracteriza como qualquer alteração de deglutição no trajeto da boca até o estômago, causando dificuldade para engolir líquidos, alimentos ou até mesmo a saliva. Conforme a fonoaudióloga do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, Elana de Menezes Rossetto, a disfagia pode acometer pessoas de todas as faixas etárias, porém sua ocorrência é mais frequente em crianças prematuras, crianças com doenças neurológicas, pulmonares, bem como crianças que necessitaram de intubação orotraqueal por tempo prolongado. "Já no adulto, ela ocorre com maior frequência, devido a traumas de face, câncer de cabeça e pescoço e doenças neurológicas como AVC, Parkinson e demências", pontua a profissional.

 

Intubação

Elana ressalta também a atuação do fonoaudiólogo junto a pacientes com diagnóstico positivo para Covid-19, pois, "pacientes com intubação orotraqueal com tempo superior a 48 horas, uso de traqueostomia e pacientes com incoordenação de deglutição e respiração podem apresentar disfagia". Em relação aos sintomas mais frequentes da disfagia, a profissional relata que são: tosse durante a alimentação, engasgos e sensação de alimento parado na garganta. "Se não tratada de forma adequada, a disfagia pode levar à desidratação, desnutrição, problemas psicossociais, sufocamento, asfixia e até mesmo à pneumonia aspirativa", salienta.


Diagnóstico

O diagnóstico da disfagia pode ser realizado através de uma avaliação fonoaudiológica clínica e/ou com exames objetivos complementares como o videodeglutograma e a videonasofibroscopia da deglutição (exames realizados pelo fonoaudiólogo em conjunto com o médico radiologista e otorrinolaringologista, respectivamente).


Reabilitação 

O fonoaudiólogo atua na reabilitação das disfagias com exercícios que visam a adequação das funções comprometidas e/ou adaptações de utensílios e consistências alimentares. Contudo, "para que a reabilitação destes pacientes ocorra de forma adequada, é essencial a atuação de uma equipe multiprofissional que opere de forma coesa e sincrônica", avalia Elana. Ainda, a fonoaudióloga ressalta que a alimentação está inserida em um contexto social, portanto, "os indivíduos disfágicos não apresentam apenas alterações de âmbito nutricional, uma vez que perdem também a capacidade de compartilhar momentos prazerosos de alimentação junto aos amigos e familiares, seja por constrangimento, frustração e ou inabilidade de se alimentar-se pela boca, impactando diretamente na qualidade de vida destes indivíduos. Por este motivo é de extrema importância o diagnóstico e a reabilitação dos pacientes disfágicos", destaca Elana.


Gostou? Compartilhe