MEDICINA & SAÚDE - Uso diário de protetor solar não compromete o status de vitamina D

Em meio a um cenário de muita desinformação e propagação de estratégias para se proteger do coronavírus, a vitamina D ganhou destaque

Por
· 1 min de leitura
 (Foto – Pixabay) (Foto – Pixabay)
(Foto – Pixabay)
Você prefere ouvir essa matéria?

A primeira orientação da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS é para que, antes de iniciar suplementação de vitamina D, seu médico seja sempre consultado. O tema foi abordado em live recente promovida pela SBD-RS com a participação da dermatologista Tania Cestari. É fato que a vitamina D, quando em níveis adequados no organismo, ajuda no fortalecimento da imunidade. Porém, o primeiro mito a ser desfeito é o de não usar o protetor solar com a errada pretensão de tornar mais eficiente a absorção da vitamina D durante a exposição ao sol. “Estudos já mostraram que o uso criterioso de filtro solar diariamente, mesmos aqueles de amplo espectro UV, tem impacto mínimo nos níveis de vitamina D. Então, não é certo suspender o uso do protetor solar, até porque ao se expor sem a proteção, estamos aumentando o risco do desenvolvimento do câncer de pele, especialmente em pacientes com tendência a estes tumores. Também alertamos que a aplicação do filtro solar em quantidade menor do que o ideal reduz a eficácia”, afirma.


Imunidade

Em relação ao uso da vitamina D na melhora da imunidade, a médica explanou:

“Tanto a radiação ultravioleta como a vitamina D usam a mesma via de ativação da imunidade nata e produzem vários tipos de peptídeos que atuam na imunossupressão. Então, já é sabido que várias infecções virais podem piorar durante o inverno, período em que nossos índices de vitamina D estão um pouco mais baixos”, explica. A médica salienta, ainda, para importância de uma alimentação adequada e exposição moderada ao sol. “Sabe-se que a vitamina D vem de diferentes fontes sendo os principais a alimentação e a produção endógena, que é via exposição solar. Sol em baixas doses ajuda a repor a vitamina D sem dano grave ao DNA. A suplementação alimentar é fonte segura e deve ser encorajada com a adequada orientação médica”, finalizou.


Gostou? Compartilhe