MEDICINA & SAÚDE - Inverno redobra preocupação com a saúde das crianças

Nesta época do ano, aumenta a incidência de doenças como asma e rinite

Por
· 3 min de leitura
 (Foto – Divulgação-HSVP) (Foto – Divulgação-HSVP)
(Foto – Divulgação-HSVP)
Você prefere ouvir essa matéria?

O inverno é a época do ano que causa preocupação para os pais. Marcado por temperaturas mais baixas e mudanças bruscas nos índices de umidade do ar, a estação exige cuidados redobrados com as crianças. Outro agravante, é a mudança repentina de temperaturas que acontece ao longo do dia, que associada a baixa umidade relativa do ar causam estresse no organismo, fragilizando a resistência orgânica e assim, possibilitando o contágio e a proliferação de vírus e bactérias que ficam expostos no ar e que atacam principalmente o sistema respiratório. As doenças atópicas (como asma e rinite) tendem a aumentar também nesta época do ano. Neste ano, além da preocupação com síndromes gripais e doenças atópicas, há a angústia com a Covid-19.


Covid-19

A pediatra e coordenadora do Serviço de Pediatria do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, Unidade Uruguai, Simone Beder Reis, salienta que a clínica da Covid-19, na maioria dos casos, é bem parecida com qualquer outra infecção viral, por isso é preciso ficar atento. “Os quadros mais leves, são quadros semelhantes a qualquer virose e casos mais graves são mais parecidos com os de adulto, já que podem causar uma tempestade inflamatória no organismo. Devido a isso os casos mais graves ocorrem menos em crianças porque elas ainda não têm capacidade imunológica para responder da mesma forma de um adulto”, explica a médica fazendo um alerta. “Como o quadro clínico é muito parecido com qualquer virose respiratória, na pandemia, deve-se suspeitar de Covid-19 sempre. A partir do momento em que ocorre a transmissão comunitária do vírus, deve-se suspeitar de qualquer criança com quadro viral de tosse, espirro, febre e, nas formas mais graves, dificuldade de respirar. Vale lembrar que o fato da criança não apresentar febre, por exemplo, não deve excluir a possibilidade de infecção pelo coronavírus”.


Aulas presenciais

Com a retomada das aulas presenciais, Simone evidencia também que é comum que as crianças que frequentam creche, escola, ou tenham contato com crianças e adultos fora de casa, tenham acesso a mais vírus e bactérias do que as que só ficam no ambiente residencial. Porém, ela alerta que proteger o bebê ou criança “a sete chaves” não é garantia de que ele será mais saudável. “A doença faz parte do desenvolvimento do sistema imunológico. E quando a criança vive em um ambiente com muita assepsia e limpeza constante, ela tem mais chances de desenvolver processos alérgicos”, orienta. Geralmente quando os quadros de viroses ou doenças atópicas são leves, a recuperação se dá em casa, com repouso, hidratação e boa alimentação, porém Simone destaca que há sinais de alerta que indicam a necessidade de procurar atendimento médico imediato. “Quadros de desconforto respiratório em geral: tiragem subcostal, retração de fúrcula, batimento de asa de nariz e, em casos mais graves, cianose, além de recusa de líquidos e prostração intensa devem ser avaliados pelo pediatra. Ainda, crianças com quadro de febre alta e sintomas respiratórios prolongados também devem ser avaliadas”.


Os pequenos e o frio

 - Vestir roupas adequadas à temperatura nas crianças, lembrando de lavar os casacos, cobertores e mantas antes de usá-los;

- Manter o ambiente limpo. Limpeza diária com pano úmido, troca frequente de roupa de cama a abertura das janelas durante o dia facilita a circulação do ar impedindo a proliferação de vírus, bactérias e ácaros;

- Hidratar as crianças é fundamental, por isso deve-se manter a ingestão constante de água;

- Manter as vias aéreas hidratadas. A lavagem nasal é recomendada não só para crianças que estão congestionadas, mas quando há catarro também, para evitar o agravamento da doença;

- Evitar lugares cheios, sobretudo onde tenham pessoas doentes;

- Evitar poluentes em casa, como fumaça de cigarro e cheiro fortes;

-Tratar eventuais foco de mofo;

- Importante: não deixe de vacinar o seu filho contra a gripe e outras vacinas do calendário vacinal.



Pronto Atendimento 24h

O Hospital São Vicente de Paulo, referência no atendimento pediátrico, disponibiliza para um Pronto Atendimento 24h para pacientes de planos de saúde e particular. O espaço oferece um atendimento completo, qualificado, além de lúdico, para acolher pais e mães e humanizar o cuidado às crianças.


Gostou? Compartilhe