Passo Fundo segue em bandeira vermelha no mapa preliminar

Apenas a região de Taquara ficou em bandeira laranja

Por
· 3 min de leitura
20 regiões ficaram em em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)20 regiões ficaram em em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)
20 regiões ficaram em em bandeira vermelha (Imagem: Divulgação)
Você prefere ouvir essa matéria?

Como a grande maioria do estado, a região de Passo Fundo foi novamente classificada em bandeira vermelha no mapa preliminar da 31ª rodada do Distanciamento Controlado, divulgado nesta sexta-feira (4/12). A região está em bandeira vermelha desde 24/11.

Os municípios e associações podem enviar pedidos de reconsideração ao mapa preliminar até as 6h de domingo (6/12). Eles serão analisados pelo Gabinete de Crise e na segunda-feira (7/12) serão divulgadas as bandeiras definitivas, vigentes de 8 a 14 de dezembro. A cogestão está suspensa, portanto os protocolos da bandeira vermelha deverão seguir sendo adotados caso a bandeira seja confirmada.

Indicadores

Passo Fundo continua entre as regiões com maior número de novos registros de hospitalizações na semana, por local de residência do paciente, com 111 internações. As demais regiões são Porto Alegre (267), Caxias do Sul (162), Novo Hamburgo (92), Pelotas (76) e Canoas (73).

Passo Fundo alcançou classificação de risco máximo (bandeira preta) em dois indicadores específicos da região: hospitalizações por Covid-19 nos últimos sete dias e número de hospitalizações por Covid-19 para cada 100 mil habitantes. Os indicadores do estágio de evolução da doença e da projeção de óbitos obtiveram bandeira laranja e vermelha, respectivamente, de acordo com a nota técnica que justifica a classificação.

A região teve um crescimento de 41% nos registros de hospitalizações para Covid-19 nos últimos 7 dias, passando de 79 para 111 registros. Os óbitos cresceram 23% em relação a semana anterior, com 16 mortes nesta semana, três a mais que na semana anterior. "No caso do indicador de Ativos sobre Recuperados, a região registrou 1.285 ativos para 3.026 recuperados, representando uma melhora no valor dado pela razão em comparação a semana anterior", informa o documento.

A nota ainda destaca que a "quantidade de novas hospitalizações em proporção da população é bastante elevada, refletindo na bandeira preta para o indicador de incidência na região, sendo a segunda mais elevada entre todas as regiões Covid", de acordo com o levantamento.

Alertas

A equipe que monitora os indicadores do modelo de Distanciamento Controlado chama atenção para a contínua redução de leitos livres de UTI para atender Covid no Estado.

Há duas semanas, havia 626 leitos de UTI livres para pacientes contaminados pela Covid-19. Na semana passada, eram 522 e, nesta semana, o número caiu para 496.

Já são duas semanas consecutivas que o indicador da Mudança da Capacidade de Atendimento, mensurada no Estado, apresenta taxas de variação negativa.

Estado

Apenas uma região não foi classificada com alto risco epidemiológico no mapa preliminar da 31ª rodada do Distanciamento Controlado. A região de Taquara e seus oito municípios receberam bandeira laranja (risco médio). Todo o restante do Rio Grande do Sul aparece em vermelho.

A cor predominante do mapa preliminar reforça o alerta emitido há semanas pelo governador Eduardo Leite, devido à mudança do cenário de estabilização para aumento de internações por Covid-19 no Estado, e que foi ampliado por meio de decreto. Publicado na segunda-feira (30/11), o documento traz medidas válidas por 14 dias, como a suspensão do sistema de cogestão do Distanciamento Controlado, para unificar as restrições e obrigando todos os locais com alto risco epidemiológico a segui-las para conter a contaminação, e alterações em protocolos de bandeira vermelha.

“Precisamos reforçar a necessidade de cuidados e reduzir a circulação de pessoas e conter a propagação de coronavírus no RS. Agora, o que queremos é que as pessoas se encontrem menos, em festas e confraternizações, ou mesmo em parques e locais públicos, onde tendem a se cuidar menos. Não é hora de aglomerações. Reduzir contatos é muito importante nesse momento, porque quebramos o ciclo de contágio”, afirmou Leite ao anunciar as medidas.

No mapa preliminar anterior, todas as 21 regiões Covid apareceram, pela primeira vez, em vermelho – depois, a análise do Gabinete de Crise acatou dois pedidos de reconsideração e o mapa definitivo ficou com 19 em alto risco. Nesta rodada, foram 20 bandeiras vermelhas no cálculo prévio, mas não quer dizer que houve melhora. Pelo contrário.

Para o total do Rio Grande do Sul, houve piora em todos os indicadores. Entre as maiores variações estão o número de casos de Covid-19 ativos (aumento de 20%), os internados em leitos clínicos com Covid-19 registrados nos últimos sete dias (+15%) e os óbitos nos últimos sete dias (+29%).

Contabilizando os pacientes internados por outras causas nesta semana, houve praticamente estabilidade no número de leitos de UTI ocupados. Com a manutenção do total de leitos e o aumento de 3% nos pacientes confirmados internados em UTI, houve nova redução da razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19, chegando ao menor nível desde o início do Distanciamento Controlado: 0,62.

O governo do Estado já anunciou que serão abertos mais 113 leitos nos próximos dias, totalizando 1.986 leitos de UTI SUS adulto – aumento de 113% ao total antes da pandemia, que era de 933 unidades.

Gostou? Compartilhe