Prefeitura auxilia pessoas que integram programa social a ingressar no mercado de trabalho

Por
· 1 min de leitura
 Foto: Diogo Zanatta/PMPF Foto: Diogo Zanatta/PMPF
Foto: Diogo Zanatta/PMPF
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma iniciativa da Prefeitura, em parceria com empresas situadas em Passo Fundo, ajudará pessoas que integram o Programa Apoiar e Comprometer (PAC) a ingressar no mercado de trabalho. A ação tem como objetivo encaminhar os usuários do programa a empregos formais, com carteira assinada e a garantia de direitos.

O prefeito, Pedro Almeida, explica que o Município está intermediando o contato dos usuários com empresas que têm vagas disponíveis. "O PAC foi criado pela Prefeitura, no ano de 2013, para dar suporte a famílias de baixa renda. Entendemos que, além de proporcionar a participação delas em cursos profissionalizantes e atividades profissionais, precisamos ir além e direcioná-las para empregos que possam melhorar as suas vidas", justifica.

Neste sábado (29), entrevistas foram efetuadas pela JBS. Conforme o secretário de Cidadania e Assistência Social, Saul Spinelli, o RH da multinacional realizou, na estrutura da Secretaria, uma seleção de candidatos. "A JBS conta com várias vagas e entrevistou pessoas para identificar as que possuem o perfil que atende aos requisitos procurados", comentou.

Paulo Rogério Rodrigues, que está no PAC há sete meses, está entre as pessoas que passaram pela entrevista. "Essa iniciativa abriu uma oportunidade para que possamos ter um trabalho e uma renda melhor", disse.

De acordo com Saul, outras empresas selecionarão profissionais dentro do mesmo processo. "Estamos em contato com outras empresas para que as pessoas tenham oportunidades de empregos formais e sejam emancipadas do Sistema Único de Assistência Social", pontua.


Sobre o PAC

O Programa Apoiar e Comprometer foi instituído em Passo Fundo pela Lei nº 5009/2013. São beneficiárias famílias com renda familiar per capita não superior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo, que possuem sob sua responsabilidade crianças e adolescentes.

Os usuários participam de programas de alfabetização, bem como de programas educacionais recomendados a Jovens e Adultos (EJA), visando a conclusão dos ensinos fundamental e médio. Também realizam oficinas, cursos e atividades profissionalizantes, visando a sua inserção no mercado de trabalho formal.


Gostou? Compartilhe