Passo Fundo terá análise do mercado imobiliário

Sinduscon adquire sistema que vai mostrar o panorama do mercado imobiliário no município

Por
· 1 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

O Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Passo Fundo e Região (Sinduscon) adquiriu um sistema de monitoramento que vai dar um panorama do mercado imobiliário de Passo Fundo a partir deste ano. A plataforma é um mecanismo de pesquisa organizado pelas empresas Alphaplan e Órulo, ambas com ampla experiência nestes segmentos. As empresas atuam em capitais como São Paulo, Porto Alegre e estão expandindo para o interior do país. No sul do Brasil eles estão no oeste catarinense em Chapecó e aqui no estado na região do vale dos sinos e agora no norte gaúcho.

O relatório do mercado imobiliário no município será trimestral com início em abril. O documento terá diversas características como índice do VGV (Valor Geral de Vendas), tipos de imóveis ofertados, preço do metro quadrado, quais regiões estão desenvolvidas para a construção civil no município, índices de classificação de bairros (top five) com os cinco bairros melhores indicados para ofertas de imóveis na cidade e muito mais. 

O panorama do mercado imobiliário é um documento de 24 páginas explicativas baseadas na análise do tripé: estoque, vendas e valores de lançamentos que a cidade disponibiliza no mercado. O relatório é didático para através de cada slide esgotar o máximo de informação possível. Este documento será acessado de forma detalhada pelos associados do SINDUSCON e os relatórios trimestrais serão encaminhados para a imprensa regional para informar como se encontra o cenário imobiliário na cidade para consumidores e investidores. 

Para o presidente do Sinduscon Leonardo Gehlen, “a aquisição deste serviço de coleta e análise de dados do mercado imobiliário era uma necessidade antiga da categoria e que agora vai passar a auxiliar diretamente construtoras e incorporadoras associadas do sindicato e indiretamente corretores, imobiliárias e toda a cadeia produtiva da construção civil”, afirmou Gehlen.


Gostou? Compartilhe