OPINIÃO

Teclando - 19/08/2020

Especialistas da maldade

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Especialistas da maldade

O que existe de experts sem expertise por aí é brincadeira. Nas redes sociais, então, é assustador. Todo mundo é especialista e traz ensinamentos surpreendentes. É impressionante o que tem de pessoas em vídeos abordando os mais diversos temas. E tudo com aquele ar de superioridade e um reforçado tom didático. São professores sem diploma e sem escola que, através das redes sociais, encontram incautos alunos. Fico impressionado com a cara de pau desses enganadores e com vergonha dos amigos que me repassam essas asneiras. Alguns sequer dizem ou publicam o próprio nome. Outros chegam como sendo doutores, professores, especialistas, coronel ou qualquer cargo, patente ou descarga do oportunismo.

Mas, cá entre nós, sabe-se lá quem seriam esses tristes personagens? Alguns até podem existir e buscam seus minutinhos de fama. Outros são resultados de grosseiras propostas com perigosos objetivos. Mesmo que tragam alguma argumentação convincente, agem sorrateiramente e, assim, aproveitam-se da boa-fé de milhões de pessoas. Há, inclusive, algumas produções com temas pontuais e uma redação de conhecidíssimas doutrinas. E a rede de distribuição é organizada e eficaz, pegando carona na logística gratuita das redes sociais. É óbvio que há interesses ocultos nesses misteriosos vídeos que rolam por aí.

Brizola no exílio

Não sei se é um sonho ou uma fuga do meu subconsciente. Parece-me que o Brizola ainda estaria no exílio e continuo torcendo pelo seu regresso. Assim, ainda tenho uma grande esperança. Fica aquela sensação de que uma hora dessas o Brizola irá retornar. E com ele também voltarão os tão necessários projetos educacionais, o autêntico nacionalismo e uma conduta não entreguista com foco no desenvolvimento coletivo. Ah, fico pensando... Quando o Brizola voltar isso tudo vai mudar. Esse sonho é uma visão do retorno do engenheiro-governador, delineado pelas realizações que já conhecemos. Isso até nem é tão abstrato, pois as bases estão concretadas naquilo que convivemos. Infelizmente, um passado interrompido nos atirou num presente comprometido e só nos restam devaneios por um futuro que minimize o retrocesso coagido. O Brizola ainda personifica nossos anseios por dias melhores.

Futebol na pandemia

Quantas turminhas se reuniram para assistir o último Gre-Nal? E os jogos da dupla no Brasileirão? Entre amigos ou em família, é impressionante o que houve de grupos grandes ou pequenos aqui em Passo Fundo. Ora, esses encontros acabam interrompendo o distanciamento social e, assim, facilitam muito a propagação do vírus. Ou, desenhando, direta e indiretamente isso coloca em risco a vida de todos nós. E, só para lembrar, esses jogos não impulsionam o faturamento do comércio local. Será que aqueles que tanto defendem o futebol na pandeia já observaram isso?

Thoropa taophora

Com esse pomposo nome, um sapo que habita a Mata Atlântida tem relacionamento aberto e é fiel a duas parceiras. Ele vive uma poliginia, ou seja, tem acasalamento com mais de uma parceira fixa. O Thoropa mantém numa boa uma fêmea dominante e outra secundária. Tem lógica, pois sempre dá sapo quando duas pererecas saltitam no mesmo banhado. Ah, antes de rotular esse tópico como machista, lembre-se de que a natureza é sábia. E não carrega preconceitos.

Máscaras e mascaradas

De dia temos máscaras penduradas na orelha e narizes rebeldes fora da proteção. À noite temos baladas e outras festas mascaradas. Seus resultados já fazem parte das estatísticas da pandemia.

Trilha sonora

Formada por jovens da Eslovênia, a Orquestra Sinfônica de Gimnazija Kranj e o êxito pop de 1967 – Can't Take My Eyes Off You



Gostou? Compartilhe