OPINIÃO

Enquetes eleitorais ilegais

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Justiça Eleitoral manda excluir fo Facebook mais uma enquete eleitoral, que nada mais é do que pesquisa fraudulenta. A decisão da juíza Rossana Gelain atendeu a um pedido da coligação PcdoB – PT contra três pessoas responsáveis por publicar a referida enquete e permitir compartilhamento e curtidas e visualizações. As enquetes eleitorais são proibidas nessa fase da eleição, porque simplesmente não obedecem a qualquer critério técnico científico determinado pela legislação. Uma enquete em rede social como FB, whatsApp e Instagram possibilita identificar os votantes por meio de seus perfis, quebrando o sigilo do voto e possibilitando saber o colégio eleitoral de cada um. Para quem não lembra ou se faz de desentendido, o voto é secreto. A decisão da Justiça também atinge quem compartilha prints com os resultados. Assim como das outras vezes, foi dado um prazo de 24 horas para a exclusão do material, sob pena de aplicação de multa no valor de R$ 53 mil para cada um dos três envolvidos na publicação.


Pagamento da multa

Para quem ainda duvida sobre a eficiência com que a Justiça Eleitoral tem agido nestas eleições para coibir o que de pior tem numa disputa eleitoral, que é tentar enganar, ludibriar e tirar vantagens com mentiras, pelo menos em três ações a multa foi aplicada e em dois casos os responsáveis foram intimados a pagar todo o valor ou requerer parcelamento. Em caso de não recolhimento ou parcelamento dos valores no prazo de 30 dias, os devedores passam para a lista de dívida ativa, que pode ser executada posteriormente. Os casos ora descritos estão relacionados a enquetes ou pesquisas fraudulentas. Em um deles, a multa dobrou e foi para R$ 102 mil.


Fique atento!

Um candidato que tenta conquistar o voto a partir de mentiras, não merece confiança. Deve ser desprezado, a menos que o eleitor se iguale às práticas nada éticas. Não seja um deles. Fique atento!


Embate

A Famurs decidiu que não vai se posicionar sobre a possibilidade de prorrogar a majoração das alíquotas do ICMS para 2021, ou qualquer outra sugestão sem antes conhecer a proposta definitiva do governo. A afirmação foi feita pelo presidente da entidade, Maneco Hassen, em entrevista ao programa Café Expresso da Rádio UPF, nesta quinta-feira. “Nós não queremos ser pegos de surpresa com uma proposta diferente ou alternativa, por isso preferimos aguardar”, disse. O posicionamento da Famurs contrapõe o líder do PSDB na AL, e relador do orçamento, deputado Mateus Wesp. Segundo ele, o governo vai construir uma proposta a partir de sugestões de segmentos representativos, entre os quais está a Famurs.


Disputa política

As obras do aeroporto Lauro Kortz devem iniciar no dia 6 de novembro, segundo anunciou o governador Eduardo Leite, ao lado do deputado Mateus Wesp, PSDB. Uma excelente notícia para a região, sem dúvida nenhuma. Mas transmitida de uma forma deselegante para com todos que se envolveram nesta luta de anos. A Prefeitura, a Câmara de Vereadores, entidades de classe, ninguém recebeu comunicado oficial sobre o que tanto se esperava. A obra do Lauro Kortz é uma conquista pluripartidária e não pode se transformar em pauta de campanha. O governador deve estar acima destas disputas, porque governa para todos.  


Arrecadação X Gastos

Os candidatos a prefeito de Passo Fundo já captaram R$ 1,561 milhão para suas campanhas e, conforme o primeiro relatório parcial das contas, gastaram um total de R$ 574,3 mil. Gastos com produção de programas de rádio e TV, impressos e impulsionamentos nas redes sociais predominam neste momento.


Pedro Almeida (PSB) R$ 500 mil do partido.

- Gastos R$ 253,5 mil

- 56% na produção para TV

- 2% em impulsionamento redes sociais ( 5 mil)


Juliano Roso (PcdoB) R$ 296,6 mil , Fundo partidário e doações.

- Gastos R$ 118,2

- 85% na produção para TV

- 1,3% na coordenação de redes sociais (1,5 mil)


Lucas Cidade (PSDB) R$ 367,9 mil, Fundo Eleitoral e doações.

- Gastos R$ 110,4 mil

- 45% produção para TV

- 5,7% Serviço de entrega digital (R$ 6,3)


Márcio Patussi (PDT) R$ 352,5 mil, Fundo Eleitoral, doações e recursos próprios.

- Gastos R$ 44 mil

- 73% produção para TV

- 4,5% impulsionamento (R$ 2 mil)


Claudio Dóro (PSC) R$ 33,2 mil, sendo R$ 10 mil em doações e R$ 1 mil recursos pessoais.

- Gastos R$ 37,2 mil

- 81% na produção de áudio e vídeo

- 4% impulsionamento (1,5)


Arthur Bispo (PSTU) R$ 5,7 mil, sendo R$ 1,8 mil do partido, e doações.

- Gastos R$ 480

- Impressos e redes sociais


Celso Dalberto (PSOL) R$ 5,6 mil do partido.

- Gastos R$ 5,5

- 60% Impressos

- 40% produção de TV


Curtas

· Todos os candidatos a prefeito de Passo Fundo tiveram registros deferidos pela Justiça, incluindo Juliano Roso, PcdoB e Pedro Almeida, PSB.

· O candidato Márcio Patussi, PDT, recebe apoio de três ex-prefeitos de Passo Fundo: Airton Dipp, Osvaldo Gomes e Fernando Machado Carrion.

· Juliano Roso recebeu esta semana reforço do deputado Edegar Preto, PT.


Abrindo para investimento externo

A Razor Computadores é a primeira empresa de Passo Fundo selecionada pelo Kria.vc uma plataforma de investimento em startups, para captação online. Também é a primeira vez que a Razor se abre para investimento externo de maneira ampla e busca levantar R$1,5 milhão. O investimento será em marketing, desenvolvimento de novos produtos e melhorias na capacidade produtiva. O Kria já trabalhou com empresas como a Resale, que foi vendida ao banco BTG Pactual, Quanto, que foi investida pelo Itaú, e Cheftime, que foi comprada pelo Grupo Pão de Açúcar.

Gostou? Compartilhe